Afinal, quem é que manda?

Vou tentar esmiuçar algo que vem me chamando a atenção. É um exercício que convido todos os leitores a fazerem, até pq, seja qual for o resultado, certamente aprenderemos mais.
É difícil compreender certas engrenagens das relações BDSM, a principio é uma relação entre um Dominante e um subserviente numa relação continuada, é minha resumida e frequente definição.
Se tem um Dominante, ele conduz a relação, em tese, uma relação por afinidades, onde os dois se completam.
Mas...
Não dá pra não ver que existe um mercado virtual de facilitação das relações, com muita publicidade, anúncios disfarçados e todos os recursos possíveis para valorizar seus atributos tendo como fim atingir seus objetivos.
É onde as coisas desandam...
É sabido que são infinitas as possibilidades de relacionamentos, desde que atendam as mínimas prerrogativas, portanto, defini-las ou resumi-las é impossível, como bem sabemos.
Tb é consenso que as relações são conduzidas pelo Dominante, não? Cada um do seu jeito negocia, apara as arestas e se compromete com aquilo que se inicia.
Isto, num resumo bem simplório, é o BDSM.
E quando a lógica é revertida? 
Pois bem, vou encurtar a parte filosófica, olhando bem de perto, vc descobre que as relações são cada vez mais determinadas pelas "subs", cabendo ao "Dom" apenas um papel protocolar.
"Subs" fazem as regras, definem os scripts, estabelecem os termos da negociação e quem aceitar que assim seja, terá a honra de usar seu nome ao lado do dela.
São "subs" que não buscam um Dono, que não buscam exercitar sua submissão lidando com o desconhecido, se submetendo à vontade alheia, mergulhando em suas zonas mais nebulosas, querem somente alguém que seja daquele jeitinho que elas tanto gostam.
Isto não é novo e, além disto, é conveniente, pq uma das grandes habilidades masculinas é ser justamente aquilo que a mulher quer.
"Me bata" - "Com prazer"
"Me coma" - "Só se for agora"
"Seja carinhoso" - "Tá bom"
Homens são adaptáveis, perfeitos camaleões e executam bem tarefas que lhe são naturalmente prazerosas. Mas dominar que é bom...
Não que isto não possa dar certo, temos diversos exemplos que mesmo começando tortas, algumas relações se desenvolveram, amadureceram com contornos próprios do bom e velho BDSM.
Eu vou mais longe, eu diria que a maioria das relações funcionam assim, dentro do desenho estabelecido pelas "subs", com os "Doms" cumprindo religiosamente seus papéis, e ai daqueles que ousarem fugir do script.
E haja dança das coleiras, pq se não for "obediente, o "Dom" roda. 
Sendo assim, claro que a "sub" se sente no direito de cobrar, de ter crises de ciúmes, de fazer baixarias públicas, de detonar uns e outros, afinal, elas que mandam.
Isto de Dom conduzir a relação é coisa antiga, é jurássico. Regras, que regras se tenho as minhas? Me servem bem e isto me basta.
Isto não torna o "Dom" fraco, afinal, é esperteza, ele tem seus benefícios, mas se quiser mantê-los, siga a risca ou cisque em outro terrenos disposto a exercer outro papel previamente desenhado para caber certinho numa "sub", se a recompensa é boa, pq não?
O legal disto tudo que a grosso modo, é uma putaria interminável, mas é tratado de maneira tão filosófica e profunda que quase convence, fica mais fácil acreditar quando são SUAS verdades, não é?
São belos textos, imagens (algumas nem tanto), são verdadeiros tratados sobre a "submissão", com deliciosas pitadas de romance (50 tons?).
Não existe a experiência real de submissão se vc previamente determina como tudo vai funcionar, quando até as prerrogativas do dominante estão sujeitas às suas vontades.
Mas tudo bem, é um engodo mas que só afeta seu criador. Os riscos, supostamente calculados tb são todos seus. Existe ganho, evidente, eu diria até que o desgaste e a tensão são bem menores, afinal, tudo segue um roteirinho.
Lidar com o inesperado? Conviver com o desconforto? Desconfortável ficava sua avó... 
E como erva daninha, isto vai tomando conta até que começam a se dar conta que nunca se viu um Dom de verdade, eles existem? E as subs de verdade?
Como eu disse no começo, convido a cada uma a refletir no assunto, mas nãos e contente com a superfície, não se contente com as verdades óbvias, faz bem exercitar a reflexão de um assunto que é tão valioso pra nós.

Comentários

Anna Nahan disse…
Interessante abordagem Senhor! De fato não deixa de ter razão, há uma distorção do que seja a submissão, uma D/s equivocada. Concordo que deve ocorrer a negociação como forma de conhecer gostos, vontades e limites num primeiro momento. Porque mencionei num "primeiro momento"? Porque se há a entrega, se há submissão, com o tempo isso se torna ainda mais presente na relação, e o "eu não gosto" ou o "eu não quero" transforma-se em "faço pelo Senhor", afinal temos aqui uma D/s, não? Isso evitaria mto a mencionada "dança das coleiras".

Refletindo sobre o seu texto, as "subs" estão mais preocupadas com os seus próprios desejos, ao invés dos desejos do Dono, e os "Doms" com seus benefícios, o que é uma pena, pois a essência da relação se perde. E por "N" razões, parece que está se tornando regra. É uma relação que me lembra um conto de fadas, onde a princesa fica na torre esperando seu príncipe encantado chegar e realizar seus desejos. E na verdade ela deveria estar na masmorra, esperando para servir o seu Senhor. Um finge que manda e o outro que obedece e o interessante é que em alguns casos e dentro do que eles esperam, dá "certo".....óbvio que não estou generalizando.

SUBMISSÃO: Ato ou efeito de submeter. Obediência voluntária; sujeição: submissão perfeita. Humildade, humilhação, passividade, subserviência. Eis a definição, simples, de fácil entendimento.....se é submissa, pratique a submissão....o mesmo para o contrário.

E assim se perde a essência das relações BDSM, aquilo que a torna mágica e encantadora....mas.....sua casa, suas regras.

Parabéns pelo texto, é fácil identificar o óbvio, difícil é atentar para as entrelinhas e o Senhor tem a sensibilidade de abordar em seus textos.
Jade disse…
não vou criticar os 50 tons, pq afinal eu me descobri lendo tal livro. Mas é certo que muitas procuram um Mr Grey. Qdo cheguei no meio descobri rapidinho que 50 tons não apresentou a realidade do BDSM, nem perto do que é ser sub, do que sente uma sub, das "idas e vindas" na formação de uma sub. mas confesso Sr Eros que uso dessa pequena "arma" de disputar poder, mas não que eu queira, só para ver que é Dom de verdade. Mesmo porque qdo sinto que estou no comando qdo lido com um dominador, já sei que neste não posso confiar e nem me sinto segura. Afinal não é isso que queremos, que buscamos e que necessitamos.
Gosto de ler seus textos, só que às vezes me sinto longe da realidade que encontro por ai.
Jade disse…
Não discordo de vc Ana, pq demostra na sua colocação bons argumentos e bem articulada.
Não discordo muito menos dos textos do Sr. Eros, sempre os li. O fato é que não é facil encontrar verdadeiros Doms e Subs no atual momento com tanta divulgação. E por isso comentei que muitas "subs" usam do comando para testar o Dom, para ao menos identificar quem está diante dela um dom ou um Dom.
Aredito que qdo ela encontra o Dom, é capaz sim de ultrapassar barreiras, limites para atender seu DOM e confiando e se sentido segura vai se sujeitar como uma boa submissa, sem questionar, se argumentar. é minha visão, e vale dizer que sou uma submissa em formação, aprendizado, se moldando com passos lentos, mas seguros, para não ser mais uma querendo um Mr Grey. Vc como sub sabe que não é fácil este "caminho".
Sempre aprendendo, iclusive com um debate assim aberto, vendo outas opiniões e outras visões. gosto muito. :)

silenciosa sub disse…
Ao meu ver, se ainda havia um resto de adeptos do real BDSM, tudo se perdeu após o tão falado "50 tons", utópico até o último fio de cabelo , descaracterizando totalmente a prática entre DOM/sub.

g.
aCidcOde disse…
Isso tambem parte da necessidade das mulheres de se auto afirmar, vivo uma situação bem parecida, porem minha forma de ser e pensar, jamais aceita que uma dominação vá para este lado, porem minha sub, como uma mulher astuta que ela eh, vem tentando me por uma coleira, mesmo me colocando no titulo de Dommo, para ela isto era normal, nao seria a primeira vez q ela faria isso, quebrar esta barreira de uma sub assim eh doloroso, tenho partido pro principio da DP para poder ter um controle melhor da situação, com isso castigos e conversas acidas se tornam necessarias, hoje nao tao frequentes como no inicio, acaba desgastando um pouco, porem resolve, e torna as coisas da forma que ela deve ser.

ACIDO
Melissa Heaven disse…
Texto excelente Senhor...encantada com seu blog

Postagens mais visitadas deste blog

Frase da semana.

Postura.

Cadelas...