Páginas

sábado, 26 de novembro de 2016

O que viramos.

Estou cansado. Vc não? A gente encontra respostas pras nossas perguntas, estuda o assunto, se envolve com aquilo, conhece pessoas, encontra a realização depois de algum tempo, se encontra.
É óbvio que se trata de um espaço generoso, que cabe todo mundo, por sinal, uma de suas maiores virtudes. Mas, ainda assim, um espaço para quem gosta especialmente daquilo, não que seja usado pra outras finalidades.
Antes, era algo tímido, que a gente ia lidando. Não é assim sempre, em todos os lugares? Sempre tem os "espertinhos"?
Mas depois foi virando outra coisa, e fomos tomados, viramos minoria.
De sérios e respeitados, viramos dinossauros, gente de mente antiga. Que não se enquadrasse, era arcaico. 
Convenhamos, era tentador ceder à "nova onda". Tudo era tão fácil, tão sem regras. Se marcava sexo dias depois de se conhecer, se podia publicar qualquer texto se passando por autor, qualquer conversa fiada tinha verniz de algo profundamente intelectual.
O que não se faz por uma (boa) trepada.
Virou um mercado popular, daqueles que nunca se acha produto bom, verdadeiro.
Cansei, vc não?
Não sei onde isto vai parar, mas não me parece no bom rumo.
Talvez venha uma onda retrograda mais à frente, destas que vira e mexe acontece. Quem sabe surja uma nova vida ainda mais exuberante do que nós vivemos, ainda melhor, que nos faça querer voltar... Que não seja muito tarde.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

A vitrine certa

Imagino alguém que comece a procurar informações sobre submissão, Dominação e afins como  alguém vendo uma festa de fora. Vai saltar aos olhos as coisas mais espetaculares, mais expostas, mais "extrovertidas". Acrescente a tudo isto que a espiadela tenha se dado justo no auge da festa, quando as bebidas já fazem efeito, quando a noção já se perdeu.
Talvez saia dali com a convicção de que aquilo não lhe serve.
Mas, como em toda festa, existem as formas variadas de curtir, aproveitar, usufruir , me corrigindo, não só a festa, mas a festança.
Imagino tb que muitos nem voltem mais a procurar saber ou entender aquilo que, de maneira profunda, é parte de sua natureza, ainda que incompreendida.
Talvez a vitrine BDSM esteja exibindo a tempo demais o produto errado, um produto que nem represente corretamente o conceito.
Justamente por ser amplo, permitimos muito, mas nos equivocamos quando escolhemos a imagem a nos representar.
Que imagem? Sexo fácil. Sexo, carne, tesão...
E as tais regras vão ficando em segundo plano, se esvaindo, perdendo importância.
Mas não é disto que quero falar, quero sim valorizar as artes BDSM que, mesmo sendo pilares da prática, não recebe o justo reconhecimento.
É no silêncio e na privacidade de muitos que vive o verdadeiro BDSM, onde o mundo de fato se amplia e não se restringe. Onde não nos resumimos mais, onde crescemos, onde nossa confiança nos leva cada vez mais longe.
Na tal festança, talvez sejamos os sóbrios, os que se percebem no olhar, na conversa de mira perfeita, no encontro nas sombras.
Mas para quem só olha de fora, não tem convite, exceto ao risco de entrar e se aprofundar.
Começamos tão pequenos nisto, tão assustados, tão sem norte que nosso único destino é crescer, se transformar, ir além do que era possível imaginar. BDSM te dá asas.
Depende de que "canto" da festa vc quer ficar. Depende do qto vc é capaz de buscar. Depende do qto vc vai se permitir a aprender.
Se o olhar é curioso, excitado, vc ficará pelas bordas, curtindo, deixando o tesão aflorar. Mas se tiver uma força maior dentro de vc, o que vai aflorar é sua submissão, sua Dominação.
De resto, espalhe a boa nova, se faça a vitrine certa.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

BDSM ou não?

Muita gente flerta com o BDSM, observa de distância segura, vezes com entusiasmo, outras com receio. Imagino que ultimamente mais receio do que entusiasmo.
Como é uma constante aqui no blog, falo dos que realmente percebem uma natureza Dominadora ou submissa, não daqueles que buscam sexo fácil.
A questão de se envolver com o BDSM passa, obrigatoriamente, pelo impacto que isto terá na sua vida, até pela dedicação e comprometimento que exige. Não dá pra ser pela metade.
Outro aspecto relevante é o que te sacia, se um mergulho nas profundezas de sua alma ou vivenciar isto de maneira esporádica, leia-se fetiche.
Existem várias formas de vc se realizar sem ser dentro do BDSM, que se tem lá suas muitas vantagens, tb tem suas desvantagens. Tudo envolve entender o que sufoca ou areja sua natureza.
Se estiver decidido a entrar no universo BDSM, comece por buscar aquilo que te complementa de fato, sem se iludir com receitas fáceis, imagens, livros, filmes... É roupa sob medida.
Vai errar muito, bater cabeça, se machucar, mas se persistir e for inteligente, vai se achar e ser achada.
Se nada funcionar, faça como nos jogos de tabuleiro, volte pra primeira casa e responda a pergunta: BDSM ou não?
Pq, talvez, sua felicidade e realização se encontre em outras formas, estas sim que devem ser trabalhadas, lapidadas, buscadas.
Tem gente que acha que a felicidade está do lado de fora, tem gente que acha que está do lado, a resposta é pessoal, individual, sua. O que funciona com os outros não vai funcionar, necessariamente, contigo.
A questão fundamental é que sempre será uma caminhada, de muito aprendizado e crescimento, mas sua caminhada. E se for bem sucedida na sua caminhada, experimentará coisas que farão tudo valer a pena.
Mas nada de se guiar por mapas alheios, trilhas alheias, faça vc sua caminhada, com suas escolhas, se errou, volte casas até achar o caminho certo.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Céu BDSM

Existe um céu BDSM, existe um Olimpo.
Vc pode escolher a forma que melhor lhe convier, mas todas vão se referir a algo supremo pra quem vive o BDSM.
Tudo na vida é uma trajetória, do engatinhar até o andar, do nascer até o morrer, do estudar até se formar. Cabe a vc saber aonde quer chegar, que objetivos vai ter, mas... Sendo BDSM é preciso entender que existe algo além do que os olhos costumam enxergar.
Sim, Dominação e submissão são naturezas que afloram ou não, que são permitidas ou não, na maioria das vezes precisa ser lapidada, vivida, leva anos até vc achar seu jeito, seu gosto, começar a se sentir completo. 
Mas é só isto?
A maioria não sabe, até pq só acha que é BDSM, adota títulos, nomes mas de fato nunca pertenceu ao mundo BDSM, mas existe um patamar elevado, que poucos alcançam, onde as regras se tornam desnecessárias.
Aprendemos e entendemos que regras são fundamentais, as que norteiam o BDSM, as que criamos, as que acreditamos. Mas existe um lugar onde elas são desnecessárias pq simplesmente tudo que se vive lá é intuitivo, sem sinais, recursos, regras ou o que for.
Basta um olhar, um gesto e tudo acontece.
Mais do que isto, um lugar onde vc não precisa reprimir nada, onde vc não se restringe, onde vc é pleno.
E quando eu digo pleno, significa que tudo aquilo que vc costumeiramente deixa de fora pra não contaminar a relação, passa a ser permitido simplesmente pq não existe mais o risco.
Sem teatrinhos, sem formalidades, pura intuição, puro entendimento dos papéis e entrega a eles.
Bonito, não? Mas não se apresse, saiba que é pra poucos, diferente do BDSM usual, não adianta se autodefinir membro e pronto. Se BDSM é um clube, pode apostar que existe uma área VIP, que não se alcança com carteiradas, que não se alcança pq se viveu quase toda sua vida lá, mas pq vc evoluiu.
Naturezas são, já dizia Darwin, evolutivas, quem evolui passa a ter outras necessidades, outros complementos, outro universo entorno de si.
Quem é de fato BDSM entenderá o que eu digo, até pq se tem amostras disto durante sua trajetória, episódios aqui e ali, mas o filme todo é pra poucos.
Muitos vão falar, contar histórias, mas se é fácil perceber quem não nasceu pra coisa (o blog está cheio de textos sobre isto), mas fácil é perceber quem realmente dominou sua natureza, seja sub ou Dom, pq o céu BDSM só cabe a quem de fato entendeu as nuances de sua própria natureza.
Pra varia, sempre tem um complicador, achar o par certo, se estamos falando de algo ainda mais seletivos, já sabe, sua vida BDSM pode acabar sem chegar ao céu.
Qto a mim, sou e continuo sendo um observador, com minhas histórias, vivências e segredos.

* Não é de hoje alguns de meus textos são utilizados em perfis sem a menção da devida autoria, gente que tenta usar isto pra se substanciar. Se ver algo assim, por favor, denuncie. Tb é bom lembrar que é fácil identificar ocorrências assim, basta testar a coerência dos supostos autores.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Agradecimento

Costumo dizer que o Dom (ou a sub) está em nós, só a espera de brotar, da oportunidade. Da mesma maneira, mesmo quando nos afastamos, continua lá. Talvez a diferença é que ele "adormeça" bem resolvido, saciado. 
Portanto, não cabe despedidas, mas reconhecimento.
Foram muitos anos de BDSM, de Dominação, de erros e acertos, de alegrias e tristezas e que foram ganhando seu lugar na história, numa transição sútil, tranquila.
E olhando para trás (ou observando) acho graça de algumas coisas, me surpreendo com outras, acho admirável o qto foi possível evoluir, viver isto tudo mas, nada disto seria possível, sem cada uma das pessoas que caminharam comigo.
Saibam que em tudo aprendi algo, mesmo quando tudo parecia rápido, mesmo quando tudo parecia turbulento, até quando era desagradável, desgastante, mas cada contato, cada conversa, cada ato foi servindo pra me moldar, amadurecer, me tornar o que fui.
Difícil aqui agradecer cada uma dessas pessoas que nem devem ter se dado conta de terem deixado algo pra mim, mas que saibam de alguma maneira (cedo ou tarde) que não seria nada sem elas.
Algumas vezes as coisas não deram certo ou não evoluíram, sei que algumas se frustraram, criaram grandes expectativas mas não aconteceu. Sei que não foi fácil, mas eu sempre dizia: o tempo vai ajudar a entender. E nem sempre é preciso ser Dono, estabelecer relação para deixar algo, plantar, construir. 
Sempre é doloroso o processo, mas muitas vezes é necessário e, que saibam, nunca passaram desapercebidas ou menores, acreditem, mesmo quando não acontecia, ainda assim foram especiais. 
Não é a coleira que transforma, é o entendimento, é uma busca, é a interação e como ela se dá. Sei, vão dizer que ainda assim, a coleira seria o prêmio, concordo. mas não deixem de valorizar as outras conquistas, nunca. Vcs tb foram parte de minhas construção.
Como é de se imaginar, uma trajetória não é feita só de flores, vira e mexe alguém te olha atravessado, se incomoda, vai lá entender a natureza humana. Não é preciso pisar no calo pra despertar lados obscuros do ser humano. Mas chega uma hora que vc se dá conta: Nossa!!! Vc conseguiu... Não a vitória, mas a capacidade de lidar, de seguir em frente, de continuar íntegro.
Se tem o desgaste, tem o fortalecimento, tem te colocar à prova, te fazer crescer, não tem como chegar a lugar algum sem isto, é vasta a literatura para falar do qto nos tornamos melhores através das dificuldades, pois é, verdade.
Com o decorrer dos anos, com aprendizado, amadurecimento fui encontrando aquelas que me serviram, impossível não abrir um sorriso ao lembra-las. Nossa, como foram fantásticas comigo, como me serviram tão bem, como me realizaram.
Sou muito, mas muito grato a cada uma delas, as minhas "mocinhas".
Em todas eu vi transformação, em todas eu vi submissão, em todas eu me realizei como Dom.
Sim, sinto saudade, mas tb orgulho, alegria, uma sensação de completude.
Confesso que algumas foram deliciosas surpresas, começaram tão suavemente, ganharam corpo, entrega e, de repente, afloraram grandes subs.
Vivemos, eu e vcs, lindos momentos, plenos, saímos bem maiores do que entramos, vcs foram e são muito especiais.
Talvez eu tenha falhado na capacidade de dizer à vcs, demonstrar à vcs o quão importantes foram. Mas nunca é tarde... Ainda que ache que falte algo.
O Dom continua aqui, Observando, escrevendo menos, conversando pouco, mas aqui. 
Para cada pessoa que fez parte de minha trajetória, muito OBRIGADO!!!


quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Lamento

Mundo estranho.
Vc tem a mulher de natureza sub que não consegue dar o passo decisivo e a mulher, que de sub não tem nada, que desfila por ai se autoproclamando uma.
O sexo é um mundo bem maior do que qualquer coisa, abriga de tudo e de todos e, justamente por isto, justifica muita coisa.
Mas, num mundo imperfeito como o nosso, não dá pra esperar que tudo saia conforme a cartilha: BDSM pra praticantes, fetiches para os adoradores, sexo casual para quem assim deseja, sexo amoroso para os românticos, etc.
Até pq, convenhamos, nem todo mundo tem compreensão exata do que se passa e sente.
A questão é que tudo é tão corrompido que até vc acaba tb corrompido, se não de alma, de suas convicções.
Difícil se manter por tanto tempo em algo que te mina, desgasta, se transformou em batalhas diárias.
Por um tempo vc aguenta o tranco, as recompensas se sobrepõe, claro, desde que vc tb seja bem flexível qto a isto.
Uma hora vc se recolhe, retoma o olhar para as outras coisas valiosas da vida que, se vc for inteligente, jamais deixará de lado.
Legal se isto ocorrer quando vc já viveu de tudo, já atingiu seu ápice dentro daquilo que acredita, que escolheu vivenciar. Nem sempre é assim.
Óbvio, tb, que seria uma vida de dedicação mais longa se houvesse mais "pureza" no processo. Subs sendo subs, Doms sendo Doms...
Mas tá difícil, a vulgaridade e falta de senso imperam, a putaria tomou todos os espaços... Não se vê mais a elegância, a finesse...
Sei que é conversa velha, assunto já amarelado pelo tempo, mas sempre que olho "por ai" me desanimo profundamente.
Já escrevi textos inspiradores (ao menos no intuito), outros de alerta, mas hoje penso: pra quem?
Devem ter uns "dinossauros" que me visitam, dão uma lida, suspiram concordando, e navegam para outras páginas. Não os condeno.
Gente de bem que foi repelida pela "força maligna" que tomou tudo.
Há quem ache tudo isto natural, é isto mesmo e pronto. Até acho que sexo exacerbado é sim uma forma de Dominação/submissão, mas não a única.
É como se as rádios, todas, só tocassem o mesmo gênero, sufocando qualquer coisa diferente.
Sempre digo que somos subs ou Doms desde que nascemos, até que um dia a vida nos cobra uma decisão: assumir ou não. Queira ou não queira, vc sempre será o que sua natureza te impôs. Não existe o quanto tempo se é, mas sim há qto tempo que vc assumiu seu papel. Mas, da mesma maneira que um dia vc assumiu as rédeas, chega o dia de saltar do cavalo.
Não sei pra vcs, mas espero que pra quem já saltou, que tenha sido no momento certo, que tenha colhido realizações, felicidades... É duro ter se aventurado sem ter colhido frutos. Mas tb não posso dizer: persista. Hoje não posso assegurar que vai encontrar o que busca.