Páginas

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Olhar e leitura.

Muitas vezes falta ao leitor, de qualquer texto, o apuro, a atenção.

Imagens convidam o olhar mas não prendem a mente, leituras superficiais e regadas de preconceito não ajudam.

Quando criei este espaço, era com a intenção de defender uma pratica, um conceito: o BDSM.

Ele existe muito antes de mim ou de vc. Ele é uma escolha que fazemos.

O BDSM não precisa do Eros, não sou um vendedor autorizado por ele, representante com crachá.

Ele está ai, sendo descoberto enquanto estamos aqui, sendo sentido a todo momento, sendo vivido, até inocentemente.

O que é fundamental é que queiram ou não queiram, mais e mais pessoas se incorporarão ao BDSM, pq ele é muito maior, pq ele captura uma natureza que não se controla ou manipula, as pessoas precisam do BDSM, não ele da gente.

É importante perceber e aceitar que é algo dentro de cada um que convida ao BDSM.

No entanto, como em todo lugar, existem os oportunistas, e é ai que entra o blog, como tentativa de defender o BDSM limpo, claro, verdadeiro.

Vc pode não gostar do BDSM, mas respeite.

Mas não pense que este espaço inventou o BDSM, não cogite que exista aqui uma fábrica de ilusões tentando vender um produto, e muito menos um produto com a marca Eros.

Se alguém chegou até aqui, não foi por acidente, sinal que já busca informações por ai.

Ou seja, BDSM não sai em propagandas de revista, jornais e tv. Um dia vc se toca que tem algo de diferente e começa a buscar.

Lerá muita coisa, ouvirá outras tantas, talvez um dia caia aqui, leia meu blog, talvez goste, quem sabe possa odiar, mas o intuito aqui é falar de BDSM.

Quando acreditamos em alguma coisa, defendemos, mas ao contrário de muitos, ao contrário de muitas praticas, não tento impor minhas convicções, não saio por ai buscando novos adeptos, não faço panfletagem como se vendesse um produto, só defendo o que acredito tentando contrapor aos oportunistas.

É de tamanha ignorância supor que somos capazes de manipular as pessoas, que fabricamos verdade, tem uma velha frase muito oportuna:

"Vc pode convencer parte do povo todo o tempo, vc pode convencer todo o povo parte do tempo, mas jamais vai convencer todo o povo todo o tempo".

É inteligente acreditar que as pessoas fazem escolhas, é gentil respeitar estas escolhas, é sábio manter a mente aberta.

Desconforto.


anais 2
Upload feito originalmente por phgaillard2001
Aceitar servir é optar pelo desconforto.
Vida baunilha é confortável, afinal vc decide, aceita, nega, faz seu próprio caminho.
Servir é optar pelo desconforto, é, neste caso, escolher um caminho mas que seguirá sob regras alheis, de seu Dono.
Apesar de estimulante, excitante, muitas vezes vc estará sob condições que mexerão com seu emocional, causará tensão, questionamentos, dúvidas e medos.
Mas ainda assim, vivendo este desconforto, vc fará.
Pq vc quer servir, pq foi sua escolha.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Sempre Escrava.

A escrava não existe somente na presença do Dono, afinal era submissa muito antes de se dar conta.

domingo, 26 de abril de 2009

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Afinal, o que quero pra mim?


Escape
Upload feito originalmente por Eros, O Dom.
Muita gente entra no BDSM com conceitos fechados ou acaba sendo induzida a crer que sua opinião e vontade não contam.
Oferecem um cardápio no qual vc deve se encaixar.
Infelizmente muita gente cai no conto e acaba desistindo ou vivendo um BDSM amarrado, restrito e longe do consensual.
Mal comparando, o BDSM seria um clube com um portão de entrada que logo ressalta através de uma placa que ali dentro três regras devem ser seguidas: são, seguro e consensual. Regras que valem para todos, justificando exclusão daqueles que desrespeitam as regras.
Todos são bem vindos, não há grandes formalidades a serem seguidas por quem frequenta, respeito e educação, bom senso, um ambiente agradável mas que eventualmente oferece cenas "fortes" para estômagos fracos.
Próximo da portaria um imenso "mercado", apesar de permitir visitas, as aquisições devem ser feitas em pares ou grupos, desde que haja a presença de pelo menos um Dominante.
Distribuídos por imensos corredores e prateleiras temos vários "produtos", em doses e quantidades variadas, algumas sessões mais específicas, espaço com variedades, etc.
Em pleno processo de negociação, é definido a quantidade de cada coisa, o que é aceito ou não, vai se montando um perfil, se ambos concordam com a composição do "Carrinho de compras", temos um acordo que estabelece uma relação que jamais pode escapar dos termos definidos, exceto quando, de comum acordo, os limites são alargados.
Compras feitas, saindo do imenso mercado, é hora de viver o BDSM, seu BDSM, com segurança e satisfação para ambos.
Evidentemente o clube estará atento a distorções, mal uso dos produtos, sub utilização, etc.
Mas nem sempre chegará a tempo de evitar o pior, por isto use de bom senso ao entrar no clube, fique atento, componha de maneira adequada e responsável seu acordo e seja fiel e dedicado a ele.
Evidentemente aqui utilizamos uma figura, imagens com o intuito de facilitar o entendimento, alguns discutirão o uso de certa imagem aqui, ali. Por exemplo, o BDSM não é um mercado, e nem foi esta a minha intenção criar tal associação, o objetivo é mostrar que o BDSM não cabe num cardápio, que cada praticante, que cada relação estabelecida tem sua medida e dosagem, e que isto se estabelece a dois durante a negociação, em busca do consensual.
BDSM não é engessado e devemos respeitar suas vertentes, combatendo somente o uso abusivo ou mentiroso de nossos conceitos.

sábado, 11 de abril de 2009

Mergulho.


Nu au collier
Upload feito originalmente por Pascal Renoux
Viver o BDSM exige mergulhar neste universo, sabendo bem quais são suas fronteiras, sem jamais deixar um universo contaminar o outro.
O fato de ser submissa no BDSM não quer dizer que deva agir assim fora dele, ao contrário, se espera que o aprendizado te faça mais confiante e segura.
O fato de ser Dominador no BDSM não quer dizer que possa sair distribuindo ordens fora dele, ao contrário, se espera a serenidade e o equilibrio como fruto do aprendizado proporcionado.
Mergulhar, se entregar plenamente é fundamental, mas como definição clara das fronteiras.