Páginas

quinta-feira, 31 de maio de 2012

A condução.

Leashed, upload feito originalmente por LeopoldV.
Ela não te reprime, cerceia. Ela leva vc aos recantos mais escondidos de sua alma, de seu prazer.
Sob as mãos certas, o infinito se abre diante de vc.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Arrepio

39561350f, upload feito originalmente por Manoel Guimaraes - Photographer.

Proteção

O conceito de proteção no BDSM por vezes é tão distorcido, e olha que nas famosas três regras ele é mais do que reforçado.

Um Dom deve proteger sua sub, deve orienta-la, torna-la capaz de lidar com as diversas variáveis de uma relação assim como em suas interações com o mundo externo, fazê-la se sentir segura, confiante, capaz de confrontar seus medos e inseguranças.

Um Dom tb deve ser o abrigo de sua sub, oferecer conforto, serenidade e atenção. Estar sob os pés do Dono tem mais significados do que um simples ato de entrega ou, como alguns preferem, de devoção.

O Dom é o farol, o Dom é o norte da sub, mas estas virtudes são naturais, inerentes à própria Dominação, são qualidades de um Dom. Não se podem simular tais qualidades.

Relações só são duradouras quando há esta sensação de proteção, o que é feito de vidro quebra, não resiste às tensões de uma relação tão intensa.

Tb é óbvio que o Dom precisa ter uma ligação com a sub, relacionamentos não são aleatórios, não se formam em esquinas, em atos impulsivos, movidos pelo tesão ou seja lá mais o que. Uma imagem que se constrói e se sustenta no dia a dia, e são as conquistas do dia a dia que vão formando o conjunto de coisas que permitem à relação evoluir e, Dom e sub, estabelecer laços cuja fortaleza os levará pra onde desejarem.

Muitos não entendem estes conceitos, sexo apimentado isoladamente jamais vai sustentar por longo tempo uma relação. É como uma casa construída, só se sabe ser forte depois de enfrentar várias intempéries.

Não existe acaso, mesmo que a vida te brinde com um encontro daqueles de contos, é a realidade que fará dele algo inesquecível. São os momentos reais onde a sub sabe que encontrará no Dono sua proteção e onde o Dono terá o gosto de retribuir toda a dedicação da sub, ao seu jeito, claro.

Dominação é, também, proteção.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Cegos no Castelo.

A inveja e a cobiça realmente não combinam com BDSM. Pois é, falamos tanto das virtudes que, por vezes, nos esquecemos dos vícios e defeitos que corrompem tudo.
Mas, felizmente, sempre tem aqueles que, em seus excessos, nos lembram de que devemos zelar pelo que temos de mais precioso.
Não é de hoje que alguns tentam exercer o papel de donos do BDSM, os sabichões que, em suas arrogâncias e prepotência, menosprezam as individualidades e os direitos alheios. Por eles, teríamos não três regras, mas uma constituição estabelecendo plenos poderes pra eles, claro. Já li propostas, por exemplo, de que toda sub antes de se submeter aos seus Doms consensuais, deveriam passar pelas mãos "sagradas" de uma elite, que assim se auto definiam.
E aquilo que tem de mais belo se tornaria cinza, perderíamos o direito de estabelecer nossas relações de maneira consensual, teríamos carteirinhas como as de motorista, com classificação, renovação e taxas. Pagaríamos anuidades como as dos conselhos regionais, logo teríamos provas como as da OAB, todos os equipamentos e brinquedinhos precisariam de selo de algum instituto gerido por este grupo.
E onde ficaria o bom e velho BDSM? Seria proibido até de se falar, livros seriam queimados junto com qualquer filme que, mesmo que de passagem, tivesse uma cena de Dominação, falar do "são, seguro e consensual" receberia pena grave.
O BDSM é construído em cima de respeito, da troca, do entendimento. Não são regras feitas somente para proteção, o que é importante, mas para assegurar que as pessoas tenham o direito de encontrar aquilo que as complementa como individuo. Cada individuo que tenha uma natureza dominadora ou subserviente, em suas infinitas possibilidades, desde que dispostos a manterem relação continuada e duradoura, encontra aqui seu lugar.
Não precisamos de mais regras, não precisamos de ninguém nos dizendo como, quando e com quem fazer. Temos não só o direito a estabelecer nossas relações como tb de fazê-lo da melhor maneira, que seja respeitoso com o outro e consigo mesmo.
Cada relação oferece uma nova leitura, uma nova abordagem, um novo entendimento sem perder a essência que promove o encontro entre duas ou mais pessoas numa relação dentro do que chamamos BDSM.
No entanto, sempre tem alguém tentando impor sua leitura, seu modo de ver as coisas.  Cada um tem o direito de fazer do jeito que quiser, desde que de maneira respeitosa e responsável, desde que dentro dos limites da sanidade, daquilo que se estabelece entre duas pessoas. Como se diz, seu direito termina aonde começa o meu.
Mas, apesar de toda a obviedade, sempre tem alguém distorcendo tudo, indo contra tudo que se prega, convenhamos, é como pregar a paz impondo a guerra.
Esta tal cegueira, ou afronta, é digna de pena, coisa de quem não sabe conquistar pelo próprio mérito, daqueles que, perdedores, buscam possuir através de meios escusos, de armadilhas, falsidades, mentiras.
Ou será que realmente não enxergam? Incapazes de apreciar e aprender com a riqueza que se espalha diante de nós, que se mostra de maneiras tão bonitas e especiais.
Bom, contra esses, prudência. Cuidado com as belas maçãs oferecidas, a vaidade torna as pessoas capazes de tudo.
Por isto o velho conselho: viva intensamente sua relação, se dedicando à parceria, às descobertas e ao aprendizado. Cuide de seu espaço, de suas coisas, cresça e amplie o que tem, não deixe que nada nem ninguém tire de vc(s) aquilo que conquistaram. Cuidado com os falsos amigos, com os conselhos dados sempre em hora oportuna, cuidado com quem divide suas conquistas, a inveja corrói.
Só vcs sabem a beleza daquilo que possuem, sem a necessidade de expor em vitrines, de gritar aos sete ventos, pois, cuidado, a inveja sempre estará a espreita e ela detesta ficar de fora.