Páginas

quinta-feira, 25 de junho de 2009

A sub.


...
Upload feito originalmente por Silviee
Normalmente todas as tragédias associadas ao BDSM recai sobre o Dom. Aqui mesmo já fiz muitos textos sobre o comportamentos dos Doms e como isto afeta a relação.
Mas para os mais observadores é possível ver nas entrelinhas que nenhuma versão de Dom existiria se não existisse a sub correspondente.
É provável que estatisticamente exista mais submissas do que Dominadores, já fiz uma enquete no Orkut e verifiquei isto.
Mas, quando coloco minha experiência pessoal confrontada com este número, digo com alguma certeza que menos de 30% é de fato submissa.
É um dado decepcionante, apesar de ser uma estimativa pessoal.
Mas muitas subs se aproximam de mim querendo sexo forte, com mais pegada e ignoram o conceito de obediência, entrega.
Outras querem ouvir declarações apaixonadas, gestos românticos, ou seja, querem um amante com carteirinha vip, de amantes especiais testados e aprovados.
Existem as que se metem nisto por fetiche, afinal, a imagem em fotos e filmes sobre o BDSM é tão sensual, tudo é tão suportável, delicioso, cordas, algemas, alguns tapinhas. É de arrepiar, certo?
Eu, em outra postagem, comparei o BDSM a um mercado, pois é, algumas subs procuram Doms a sua conveniência, quando não encontram, partem pra outra.
Ultimamente, quantas relações duradouras vcs acompanham?
Tem relação que não passa da primeira ordem, que não aguenta o tranco da seriedade BDSM.
Um exemplo clássico é do cara casado, vida tranquila e bem resolvida, pelo menos superficialmente, mas que vive inquieto com uma fantasia, ser possuído. Um dia ele descobre o BDSM, cai como uma luva. Se aproxima do meio, diz que fará tudo, aceitará tudo, mas só fará pq é um bom escravo mas no fundo sabe que no BDSM ele pode realizar seus desejos amenizando a culpa e qualquer outro entendimento.
Convenhamos, BDSM não é fuga, é escolha.
É pra quem tem coragem de decidir, não pra quem quer viver uma fantasia segura como se isto fosse um bordel de primeira classe.
Vamos viver um BDSM sério e dar valor a ele e seus praticantes.

domingo, 21 de junho de 2009

Decepção...

Spirit off
Jamais deixe que mudem sua essência. Cabe ao Dom acentuar suas virtudes e corrigir seus defeitos, jamais modifica-la.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Não se esconda.

'Irresistible


Saia das sombras, não se esconda, siga seu destino.
Se tem algo que desejas, se prepare adequadamente, se reforce, monte a estrutura necessária e depois, com tudo pronto, corra atrás, seja direta, não use entrelinhas, não recorra a artimanhas, busque aquilo para o qual se preparou.
Existe o tempo de estudar, aprender, se informar.
E existe o tempo de agir, de fazer valer tudo que colheu antes.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

"Doms"

Os diversos tipos de "Doms".


O Mandão.
Ignora completamente o conceito de consensualidade. Já chega dando ordens mesmo que a sub ostente coleira. Confunde autoritárismo com autoridade, não sabe distinguir a diferença. Sua presença é sempre marcada por ordens como se isto desse um relevo maior a ele, é sua carta de apresentação.
O Sedutor.
Também chamado de Romântico. Adora "presentear" a sub com poesias, bombons, presentinhos encantadores. Jura amor eterno, um verdadeiro apaixonado pela mulher, por vezes ignora completamente o papel de ambos, é um Dom atenuado que valoriza mais a mulher que a sub. Sua autoridade é dispersa, muitas vezes inexistente. Tenta prender a sub com promessas de romance e dificilmente consegue exercer seu papel de predominância visto que se baseia na sedução, exercer autoridade poderia colocar em risco a relação.
O Virtual.
Baseia sua existência na tela de um computador, eventualmente avança pra telefones e outros meios distantes de comunicação. Exige que a sub tenha webcam, digital e microfone e cria inúmeras justificativas para evitar o real. Faz isto por medo, pq sua vida baunilha impede passos maiores ou pq o indíviduo virtual é bem diferente do real. Devemos lembrar que em algumas fases da relação o uso de ferramentas virtuais é uma extremamante útil, mas os Doms virtuais usam de tal maneira que lança dúvida até sobre os Doms sérios.
O Feticheiro.
É o baunilha que aprende o suficiente sobre BDSM, se traveste de Dom, tem discurso afinado, envolvente, usa estratégias bem urdidas para prender a sub. Suas armadilhas envolvem de tal maneira que cerca todas as possíveis saídas da sub. Atende todas as expectativas da sub, na dosagem certa criando o ambiente perfeito para o bote. Todos os seus atos estão focados no sexo, direcionam para possuir a mulher sem compromisso com a condução responsável, com o aprendizado e a proteção da sub. Muitos, após alcançar seus objetivos, somem. Outros, durante as sessões, perdem o controle excitados com a mulher conquistada e com as possibilidades abertas durante o processo anterior.

Existem vários tipos de "Doms", já falei de alguns em outras postagens, mas para cada "Dom", existe uma sub. Como diz a velha frase: Eles estão certos, errados são os que dão razão a eles.
Muita sub quer o Dom apaixonado, romântico, incapaz de puni-las, outras querem Doms intensos na cama satisfazendo todos os seus desejos, alumas querem a proteção da internet, se exibir de forma segura pra alguém e tem até as que gostam do homem grosso, mandão.
O BDSM é um imenso cobertor, que cobre uma variedade de práticas, alguns destes "Doms" flertam com o BDSM sério, vivem a fase experimental, alguns não causam danos. Devemos ter cuidado com os que só pensam em si, que não tem responsabilidade nenhuma, que criam expectativas que jamais vão satisfazer e colocam em risco a sub e a mulher.
Se vc conhece mais algum tipo de "Dom", por favor, comente. Traga sua visão, acrescente.
Ressalto tb que é preciso sensibilidade pra identificar já que falamos de algumas práticas que são cabíveis no BDSM, e o que vale é o real comprometimento dos envolvidos. Seguir as três regrinhas básicas: são, seguro e consensual.
As definições são superficiais, cabe a cada um "ler" de maneira mais profunda as atitudes das pessoas com quem se relacionam, "pescar" eventuais desvios de comportamento, identificar os "Doms" e separa-los dos DOMs.

terça-feira, 9 de junho de 2009

A pureza da entrega.


68
Upload feito originalmente por ranga66
A sub sabe sua hora, sabe esperar, sabe se entregar.
Aguarda, sabendo que até no aguardar ela já pertence, já serve, já se entrega.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

O Diálogo.

"Um casal tomava café no dia das suas bodas de ouro. A mulher passou a manteiga na casca do pão e deu para o seu marido, ficando com o miolo.

Pensou ela: - Sempre quis comer a melhor parte do pão, mas amo demais meu marido e, por 50 anos, sempre lhe dei o miolo. Mas hoje quis satisfazer o meu desejo".

Para sua imediata surpresa o rosto do marido abriu-se num sorriso sem fim e ele lhe disse:
- Muito obrigado por este presente, meu aamor. Durante 50 anos, sempre quis comer a casca do pão, mas como você sempre gostou tanto dela, eu jamais ousei pedir !"


Na vida ou no BDSM diálogo é fundamental.
Já postei um texto sobre isto, mas por mais evidente que seja, por mais que pensemos dialogar, sem perceber nos omitimos, fingimos dialogar.
Medo de perder, medo de não ser compreendido, medo...
Só sei que algo tão evidente é uma ficção, que alguns imaginam praticar.
O consensual é dinâmico, evolui naturalmente, mas se nos conduzirmos baseados em suposições, em entendimento isolado jamais evoluirá na direção correta.
Não se enganem, o diálogo é fundamental para o Dom, não só para a sub, fale, se expresse, não se contente, a maioria das subs acredita estar tendo um desempenho satisfatório nesta área, supõe estar exercendo de maneira convincente o diálogo, mas não...
Tomam decisões, se expõe, se submetem, aceitam sem ter noção do que estão fazendo.
Existe uma distância grande entre o que é possível e o que realmente praticam, entre o que acreditam estar fazendo e o que efetivamente fazem.
O resultado é um só: fracasso, erro, decepção, escolhas erradas.
É o erro mais comum no BDSM, supor estar exercendo corretamente todas as possibilidades, mas agir baseado em suposições, desenvolvendo uma relação distante do que realmente se deseja.