Páginas

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Círculos.

Os efeitos da Dominação são como círculos um dentro do outro, os mais amplos partindo do Dom, os menores dentro da sub.
E são os menores que se referem ao qto a sub consegue se dominar, controlando e lidando com seus temores e desejos, com tudo aquilo que pode vir a corromper sua submissão e, consequentemente, destruir todos os círculos que se formam.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Exercício ou Prática?

Não se exercita a submissão, visto que ela é pré existente. Vc a pratica. O que de fato ocorre é um processo de quebrar barreiras, derrubar bloqueios, ou seja, os avanços são na direção de tornar a submissão mais fluída.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Uma forma...

As relações BDSM buscam o prazer, sem dúvida. O prazer de Dominar, o prazer de servir, o prazer da companhia certa, o prazer da evolução, o prazer sexual, etc...
Mas me chama a atenção como o prazer sexual permeia o meio, é tanta imagem, tanto relato que me pergunto sobre os outros prazeres. Sexo, que deveria ser meio, ferramenta ou algo do tipo parece ser o foco principal para muitos.
E, como forma de obter o melhor "desempenho", se usa e abusa da força, da imposição, do autoritarismo, da energia física aplicada ao ato, à Dominação.
Até a estética do sexo ficou meio em segundo plano, numa abordagem mais erotizada, sexual.
Mas estamos falando de Dominação/submissão. E as outras formas de submissão, perderam valor?
Vejamos por exemplo uma sub delicada, inteligente, de trato agradável, excelente companhia, presença que intensifica o orgulho do Dono.
Difere um tanto das abundantes imagens que vemos por ai, mas pq não exerce mais o mesmo fascínio de antes?
A submissão tem várias formas, mas estamos nos resumindo cada vez mais.
Uma relação de Dominação pode se dar (por sinal, deveria se dar) pelo olhar, por gestos, por música. A sub sabendo de antemão como se portar, como agradar. Tendo a percepção do gosto do Dono, se movimentando sempre de modo a satisfazê-lo quase que o antecipando, se colocando à disposição antes mesmo que a ordem venha.
A imagem clássica da submissão é intuitiva, onde os dois interagem com fluidez, compreensão mútua, não aos solavancos.
O sexo está contemplado, e pode ser tão intenso e selvagem quanto se possa desejar... E, pra brindar a relação, será perfeito e pleno, pq fluirá como toda a relação.
Não existe um modelo de relação, aquela que é a forma perfeita, no fim, dentre tantas variedades, experimentaremos algumas que nos forjarão como Dominadores e submissos(as)... O que me preocupa é a sensação que cada vez mais prevaleça um formato onde a força prepondere sobre a inteligência, inclusive na Dominação Psicológica, o que é quase contraditório.
Descrevi aqui uma relação que considero o supra sumo, o auge visto que exige dos dois apuro, refinamento, compreensão dos papéis, segurança no seu exercício, confiança um no outro fora que é de uma beleza extrema e, dentre cada possibilidade que o BDSM oferece, haverá uma que se considere plena.
Vejo que todos nós temos uma caminhada dentro do BDSM, uma longa caminhada, de aprendizado e experiências, uma trajetória que nos fará melhores, mais hábeis, mais confiantes e, consequentemente, sabedores do que queremos... Como arte, de artesões para artistas.
Sem termos objetivos, se focamos demais no imediato, não tem evolução. Sem se saber onde se quer chegar, tudo é aventura, montanha russa.
Vamos acertar, vamos errar, ter sucesso, fracassos, decepções, alegrias, conquistas, tanta coisa nessa caminhada... Pode ser legal, divertido viver o agora, experimentar, viver uma sucessão de eventos sem pensar em nada... Não condeno, sinceramente. Mas se depois de tudo isto, vc não perceber nada, não se dar conta do que tinha, não sentir a transformação, perderá algo fantástico de se experimentar.
Cerveja sim, mas tb um bom vinho. 
Somos seres evolutivos (deveríamos ser), o BDSM é dos meios que mais permitem transformações, uma viagem inesgotável de possibilidades, acreditem nisto, invistam nisto, desejem isto, cobrem isto.
Não se cobrem prontos antes da hora, pq a viagem em si já é deliciosa, curta cada fase, tire dela tudo que puder, até chegar o momento que se sentirá capaz da melhor das relações, mesmo que ela tenha pouca chance de acontecer, mas saberá que fez a melhor das caminhadas...

A Fantasia e o Fetiche no BDSM

Muita gente adere ao BDSM para realizar suas fantasias e/ou fetiches, algumas vão além estabelecendo relações fetichistas que não seguem os rigores da relação Dom e sub.
Mas não vou tratar destas relações e sim das fantasias e fetiches dentro de relações BDSM.
Se tem de maneira clara que quem define os rumos da relação é o Dom, desde que dentro do consensual, portanto, quando se tratar de realizar fantasias ou fetiches, serão as dele, tendo a sub como meio.
Mas a sub fica chupando o dedo?
Considerando que as relações devem ser acordadas, os termos colocados todos de maneira clara e seguidos de maneira religiosa, se supõe que a sub, ao escolher se entregar, sabe o que terá, se suas fantasias e fetiches serão contemplados e, consequentemente, a aceitação das fantasias e fetiches de seu Dono.
Acima de tudo fica a relação Dom/sub, norteada por um acordo, que cresce na base da confiança adquirida. A relação, nesses termos, permite explorar uma série de possibilidades, todas dentro do consensual, entre elas, fetiches e fantasias.
É importante ter isto claro pq a relação BDSM se distingue do simples fetiche pela existência de regras, por ser algo continuado e bem mais amplo.
Óbvio que a relação pode ser fortemente marcada por algum fetiche, por alguma fantasia mas, sempre, terá como escopo principal a percepção de quem um sempre estará Dominante.
Também, de maneira natural, no decorrer da relação, novos fetiches e fantasias são explorados, afinal, as possibilidades sempre serão amplas e o BDSM, com suas regras, dá segurança pra isto, se falo de regras, implícito está que falo de consensual, pq não cabe impor algo que e sim evoluir de modo a ambos se perceberem capazes de abrigar novas formas dentro da relação.
São sutis as diferenças? Talvez, mas uma coisa marcante na relação BDSM é sua continuidade, é a maneira que duas ou mais pessoas se relacionam e os papéis que cada um exerce com a plena aceitação e reconhecimento do outro, não é um experimento de momento, uma vontade passageira ou algo que se visita ocasionalmente.
Se vc espera uma relação onde possa realizar seus fetiches e fantasias, escolheu o lugar errado, o BDSM é muito maior que um simples espaço de diversão, prazer...