Páginas

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Mentes Obtusas II


O BDSM bem vivido é das coisas mais enriquecedoras que alguém pode passar. É transformador, é intenso, é prazeroso, é único.
Mas não é para todos.
Ter a sabedoria de perceber isto já é um dos efeitos benéficos do meio. Não adianta forçar sua natureza na expectativa de conseguir alcançar o que é tão certo e ajustado nos outros.
Cada um de nós tem seus caminhos para a felicidade, não existem atalhos, devemos ser obstinados sim na busca de nossa felicidade, esteja ela onde estiver, seja qual caminho deva ser percorrido.
Felicidade, portanto, não se rouba, não se pega emprestado, busque a sua sem se deixar cegar pelas tentações ou pelos enganos.
Conselhos antigos, que atravessam os séculos e sobrevive ao tempo pq é uma verdade inatacável.
Infelizmente, muitos ainda não se deram conta disto e buscam a todo custo não só roubar a felicidade alheia como impedir que os outros sejam felizes.
Mas o que eles têm além do propósito malévolo de prejudicar aos outros? Nada. Quem age assim não tem amigos, não tem vida, não tem motivos pra sorrir a não ser em suas eventuais vitórias. Repetindo uma definição usada anteriormente, são espíritos sem luz.
A gente sempre espera que o bom senso impere, que as pessoas um dia acordem pro fato que viver em função de outras vidas só os tornam infelizes e vazios.
Na primeira postagem com o mesmo nome, uma das pessoas que vivem em função de ataques anunciou que as coisas só iriam piorar, pois é, cumpriu sua palavra. Quem dera tamanho esforço fosse dedicado a própria felicidade e não a tentativa de prejudicar aos outros.
Um dos equívocos é imaginar que se ataca somente indíviduos, se ataca também convicções, crenças, opções de vida. Se ataca tb todos que acreditam nisto e na correção de atitudes. Não se denigre somente pessoas, se denigre o próprio BDSM com este tipo de ação.
E cá estamos de novo trazendo a tona os fatos.
Quando os ataques são individuais, vc decide se quer fazer parte deles ou ignora-los. Eu e atena decidimos ignorar. Quando os ataques se estenderam, decidimos nos manifestar pelo tempo necessário pra deixar as coisas mais claras.
Mas numa segunda onda, os ataques vieram mais baixos: roubos de fotos, de identidade, ameaças à amigos, insinuações, perfis em sites de prostituição, falsos dossiês lançados irresponsavelmente no ambiente profissional.
A maldade humana revela a falta de limites das pessoas.
Mesmo diante das providências tomadas, ainda se sentem confortáveis em prosseguir, contando com a ingenuidade de muitos e ambição de outros.
Quantos foram iludidos e seduzidos por histórias escabrosas contadas como num enredo de novela com baixos indíces de popularidade. O que é interessante é como muitos ainda se aproximavam buscando tb tirar proveito da "vítima".
Os fatos deveriam ser derradeiros, o simples comparar de estilos já seria suficiente, mas não foi. O simples observar das amizades deveria ajudar, mas não ajudou. A simples leitura dos fatos narrados deveria causar questionamentos, mas não causou.
E é isto que assusta. Como a verdade pode ser massacrada sem que as pessoas, ao menos, queiram apurar. Sopro no seu ouvido uma história e vc a toma como verdadeira? Onde fica seu discernimento e sua capacidade de julgar?
É justamente por isto que se faz necessário retornar aqui e se posicionar.
Um bordão antigo dizia: Ele está certo, errado está quem lhe dá razão.
Pois aqui estamos de novo, eu e atena, pra proporcionar a todos a chance de conhecer a verdade.
Observem que a fidelidade prevalece, indo muito além dos formatos da relação, do status de nossas vidas. Talvez isto incomode.
Atena não me serve mais, nem estava mais no meio, se dedicando a sua vida baunilha com sucesso, está feliz, conquistando e vivendo coisas que sempre sonhou. No entanto, diante dos novos fatos, refez seu perfil, juntou os amigos e estamos aqui pra desmacarar um fake, lançar luz sobre a verdade para os que ainda não se deram conta, permitir que ainda a tempo saim da canoa que afunda e, também, se juntem a nós pra demonstrar que não aceitamos mais este tipo de coisa.
Muita gente tem se manifestado, muita gente tem se revelado de maneira muito positiva e, confesso, fiquei orgulhoso com algumas coisas que vi. Creio que muitos tem amadurecido com os acontecimentos, percebido com mais clareza os riscos envolvidos. Ainda há tempo de outras pessoas se posicionarem com o mesmo vigor, muitos que sabem de verdades que ainda não foram divulgadas, cada um deve saber sua responsabilidade.
Sempre abominei a publicidade, quem me acompanha no blog sabe disto, quando falo de publicidade falo de marketing barato, de ações para se vender uma imagem, criar chamariz para um ou outro, vendendo o peixe errado. Acredito nas relações bem vividas, envolvidas com seus compromissos internos. Observem que o marketing que aqui falo não é a mesma coisa que as relações abertas, são coisas bem diferentes. Uma coisa é o desejo de permitir que outros compartilhem os bons momentos de uma relação, outra é contar histórinhas pra boi dormir, vendendo coisas que não existem.
Portanto, é assim que mantenho minha vida dentro do BDSM, mas isto não significa conceder espaço pra que as pessoas se criem em mentiras e lendas, sou e continuarei sendo seletivo, não sou imune ao erro, ninguém é, às vezes abrimos portas erradas, mas continuarei com minha convicção e postura, venho aqui não contrariado, pq sei que é necessário, estou aqui com a responsabilidade que o caso requer, mas lamento que tenha que ser assim, lamento por pessoas próximas que foram atingidas e atacadas, lamento pq algumas destas pessoas sentiram realmente os ataques, mas espero que fazendo o certo, possamos amenizar os estragos feitos.
Muitos se uniram nesta luta, sabendo o que estava em jogo, sabendo do jogo sujo, com cautela e sabedoria, ganhamos corpo pro que agora se mostra, para que todos possam não só conhecer os fatos, mas se manifestar. Muita gente até conhece os fatos e está tendo agora a chance de se manisfestar, de se posicionar. Infelizmente os ataques foram feitos de tal maneira que só restou agir assim, para que a verdade não fosse distorcida e lançada irresponsavelmente.
Não gostaria só de trazer a verdade a tona, gostaria tb que as pessoas envolvidas nos ataques repensem suas atitudes, observem a dignidade de quem está ao nosso lado, a correção de nossas atitudes e possa tb se redimir. Que perceba que não alimentamos o jogo sujo, que não jogamos na mesma moeda, pq cada um de nós só tem a perder com isto, são pessoas com suas vidas, com pessoas queridas pra cuidar, com vidas a se dedicar. Todo mundo tem uma chance de se voltar para aquilo que é necessário e verdadeiros em suas vidas, a oportunidade é agora.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Manchete.

Muitas vezes estamos caminhando na rua e olhamos aquela banca cheia de jornais abertos convidando a leitura, damos uma paradinha, lemos as principais notícias, das mais variadas fontes e estilos, e seguimos em frente com um novo repertório de assuntos para nossas conversas.
No mundo da internet esta mesma paradinha se dá nas páginas dos principais sites, com fotos e vídeos saltando aos olhos.
Quando se analisa as notícias efetivamente lidas vão se destacar as fofocas, os BBBs e as esportivas.
Recentemente, uma grávida morreu em um acidente em São Paulo, de maneira precipitada toda a mídia, público em geral e até a polícia condenaram o outro motorista. Pq? Boa pergunta. Será pq uma grávida morreu? Pq não foi possível salvar a criança? Pq era a segunda esposa do motorista que havia morrido num acidente? Pq encontraram garrafas no carro do outro? Nenhum fato aprofundado, até que surge um vídeo propiciando nova leitura dos acontecimentos.
Anos atrás os donos de uma escola infantil perderam tudo, sofreram ameaças, não só foram condenados publicamente como sofreram todo tipo de perda. Me corrijam os que se lembram, mas o caso ficou conhecido como escola base onde uma denúncia ganhou proporções e todo mundo comprou a história contada avolumando as consequências nefastas.
Onde quero chegar?
Me pergunto pq nos contentamos com as manchetes, em aderir imediatamente ao lado que mais se identifica com vítima e sair defendendo como se tivessemos conhecimento de causa.
Basta fazer cara de vítima, ter perfil de vítima e pronto?
Me lembra muito conflitos de irmãos onde um aprendeu a ser a "vítima" enquanto o outro sempre acaba antecipadamente condenado como vilão pq não desenvolveu a mesma malícia do outro.
Mas somos adultos, responsáveis, com histórias de vida. Pq ainda fazemos isto?
Assumir tal ingenuidade é assustador, as pessoas são induzidas com facilidade por qualquer discurso barato, pq qualquer mentira. Mesmo que um dia constatem que tb foram vítimas, seguem em frente como se nunca tivessem tomado partido da causa errada. Sem culpa e aprendizado tb?
O BDSM não costuma perdoar este erro, pq ele é revelador, pq ele nos leva pro campo das vítimas em potencial, pq o BDSM ensina que devemos ter critério, devemos ser cuidadosos, devemos saber escolher com quem andamos.
Não é só mais uma história a contar ou mesmo pra se esquecer, é algo que deve ser refletido visto que revela comportamentos que fragilizam num universo tão cheio de riscos e ameaças.
Sim, os riscos são reais e quem tem um bom tempo nisto conhece histórias dos mais diversos tipos, de situações que foram muito além do mero acidente de leitura, não é algo que passa e se esquece.
Apesar de indícios bem claros, ainda assim as pessoas persistem no erro, aderem as campanhas erradas, às companhias erradas.
O bom BDSM, aquele tantas vezes citado aqui, alcançou este nível e este status a partir do momento que soube separar o joio do trigo, nem sempre é possível fazê-lo de primeira, mas sempre é tempo de sair de uma canoa furada.
Muita gente se contenta com a leitura rápida de uma manchete, tiram conclusões e acham que já sabem o suficiente quando, ao contrário, os fatos verdadeiros são outros, bem claros, bem apresentados e, muitas vezes, bem diferente do que as manchetes insinuam.
Não a toa, os jornais mais vendidos hoje em dia são os de leitura rápida e com manchetes sensacionalistas, assim como o BBB ocupa todo espaço da mídia. Vivemos inseridos num imenso BBB.
Se vc chegou até a este ponto de leitura, parabéns, vc é um caso raro, normalmente textos são só cliques rápidos em busca de imagens ou algo que prenda por cinco segundos.
Se chegou até aqui, provávelmente não é do tipo que é sugestionado com facilidade, que interpreta as coisas baseados em rápidas leituras.
O blog leva o nome de observatório por uma razão bem óbvia, só é possível aprender algo quando nos aprofundamos. A linda paisagem da superficie de um lago não revela todas as suas verdades.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Oportunidades.

É muito interessante como a vida nos dá oportunidades e como lidamos com elas. Entramos no BDSM com uma série de expectativas, algumas reais e outras nem tanto, uma dose de fantasia é comum entre quem começa no meio.
Oportunidades vão surgindo, oferecendo ensinamentos, aprendizados, vivências.
Às vezes de forma dolorosa, outras de maneira suave, mas sempre deixando suas marcas.
O lidar com estas oportunidades é que diferencia quem segue em frente de quem fracassa. O que não dá é pra culpar a oportunidade ou terceirizar a própria responsabilidade.
Devemos aprender, buscar entender e a cada nova oportunidade ir usando o que se acumulou, como uma bagagem crescente que vai nos oferecendo apuro na hora de decidir.
Nem todo mundo sabe lidar e entram vários motivos pra isto: despreparo, excesso de confiança, erro de leitura, inadequação, arrogância, medo, insegurança. etc.
O que fazer no fracasso? Seguir em frente, agregar conhecimento, se aprimorar.
Oportunidade perdida é passado, olhe pra frente e siga.
O mais impressionante é que muitas vezes estragamos até a chance de novas oportunidades, estragamos de tal maneira que nada mais resta a não ser o desgosto e amargura.
Pena...
Muita gente se afunda neste processo, de tal maneira que acaba levando consigo até quem tenta ajudar.
A sabedoria é a coleção bem sucedida de oportunidades aproveitadas, mesmo as perdidas se tornam ganhos, afinal, como diz o velho ditado: Errar é humano, persistir no erro...