Cadela!!!

Vou falar de algo que em meus mais de dez anos no meio, sinceramente, nunca achei necessário tratar. Para mim é algo tão bem resolvido que nunca teve relevo pra merecer mesmo uma citação.
Pode vasculhar o blog e suas inúmeras postagens, qtas vezes usei o termo cadela?
Veja que ao falar de mim acabo falando, por consequência, de todas as pessoas com quem convivi e compartilhei momentos dentro do meio.
O BDSM é amplo em suas possibilidades, contempla tantas situações e é assim mesmo, já comentei isto e não vou me repetir.
E é esta universalidade que impede qualquer coisa que seja restritiva, rótulos é um bom exemplo, cada um busca aquilo que mais convém e melhor define.
Temos vontades e desejos próprios, riquezas bem pessoais, virtudes e defeitos que nos individualizam, e é o encontro disto tudo que produz os melhores resultados dentro de cada relação, a troca.
Evidentemente cadela é um destes termos populares no meio mas, convenhamos, bem limitador.
Tem cadelas, óbvio, tem os adestradores, óbvio, mas toda sub é cadela?
Isto ofende minha inteligência.
Eu acho indiscutível o assunto, ai alguém fala que se tem coleira é cadela. *:( triste 
Como assim?
O simbolismo mágico da coleira ficou restrito a isto?
O Dono é o proprietário de... uma cadela? Então tudo se resume a isto? Algumas vezes eu disse que a sub pode vir a ser a propriedade mais preciosa de um Dom, acho que isto distancia um pouco as coisas.
Sub se usa!!! Gritarão alguns... Tudo bem, respeito quem pense assim, mais do que respeito, acho plenamente justificado e enquadrado nos bons conceitos BDSM. Mas nem toda sub se usa. Na Dominação psicológica, por exemplo, alguns níveis de relação são marcados pelo compartilhar, relações tão azeitadinhas que Dom e sub exercem seus papéis com uma fluidez deliciosa, sendo a sub a companhia perfeita, em todos os sentidos. Quem nunca viveu isto, eu recomendo.
Veja, em nenhum momento condeno o termo, não deixo de reconhecer que se trata de um grupo bem representativo no meio e com práticas plenamente aceitáveis, o que justifica a postagem é a generalização.
O termo cadela parece que vem autorizando o primeiro contato agressivo, autoritário, uma leitura que Dom tudo pode e sub tudo deve. Se fosse assim, que pena seria, pq qto deixaríamos de experimentar e vivenciar, nas riquezas infinitas que a Dominação e submissão podem oferecer.
Não só as relações são muito ricas, é preciso reconhecer que as subs tem muito a oferecer.
Não dá pra ignorar que trazem experiências, características e aspectos que muito engrandecem a relação, se vc souber aproveitar isto, perfeito.
São os tais tesouros que falei em outra postagem.
Acho que já bastam os perigos externos e naturais que corremos, se dentro do meio surgir nova ameaça, o que será de nós? Vamos virar um clubinho do sexo?
Com todo respeito às cadelas, até pq, não parte delas o equívoco, mas vamos separar o joio do trigo.
Não, o universo BDSM (veja, universo, o que se pressupõe amplo, infinito) não fica restrito à conceitos, e "cadela" não pode e nem deve se generalizar.
É preciso respeitar a individualidade e a universalidade do BDSM, é preciso valorizar as diferenças, sem preconceitos, sem soberba.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frase da semana.

Postura.

Cadelas...