Páginas

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

A Evolução da sub.

Como diz o ditado, ninguém nasce sabendo, o que se aprende depende muito de como vc aproveita a caminhada.
A trajetória de uma sub psico pode enriquecê-la ou não, tudo depende de como fará suas leituras, escolhas, etc...
O primeiro passo, este sim definitivo pro seu sucesso, é se reconhecer sub, observe que se reconhecer é diferente de se achar sub.
A coragem necessária pra se reconhecer e, em seguida, buscar meios para se realizar como sub é fundamental pro que virá, erros e acertos, alegrias e tristezas, momentos de insegurança e risco, realizações e fracassos, tudo vai moldando a sub...
É bom lembrar que a sub deve buscar aquilo e aquele com quem tem afinidade e vontade, esqueçam a conversa fiada que sub deve se moldar ao Dono, a sub só se molda ao Dono depois de definida a consensualidade, onde se considera a afinidade, a partilha, o desejo, o encontro necessário entre duas pessoas para evoluir, só então a sub se molda ao Dono na busca do prazer de ambos.
Claro que uma sub pode buscar justamente aquilo que coloque a prova todas as suas convicções e zonas de conforto, a sub pode sim ir explorar o conflito, o desconforto mas, de novo, é necessário estar sob a condução certa, saber que o Dom é capaz de proporcionar tal viagem.
Ou seja, a sub acreditar que deve se anular, que o servir é simplesmente ser aquilo que o Dono quer sem valorizar seus desejos, vontades e sua própria natureza é conversa pra boi dormir, que ela deve se moldar ao Dono, obedecê-lo cegamente, etc... Tudo isto tem um contexto, baseado sempre na consensualidade, na aceitação, na leitura correta, na convicção da sub...
Passada esta fase inicial, a sub começa a filtrar, fazer escolhas mais apuradas, se sentir confortável no papel, evoluir...
Sua submissão é mais natural, tem muito de condução do Dom, de orientação, da proteção, da intereação entre ambos, de trocas...
Mas ainda não é uma sub plena...
A plenitude da submissão acontece quando todo o processo é intuitivo, natural, fluído... Quando a obediência vem no olhar, quando a condução se dá por sutilezas, quando a proteção não se dá por inseguranças, quando o obedecer cegamente não significa falta de entendimento do que está por acontecer...
A sub serve exclusivamente por prazer, não por necessidade, por carência...
A sub transita numa zona de conforto, confiante e segura de sua condição...
A entrega é plena, rica, sem percalços...
Mas não pense que se chega lá fácil, não tem uma sub que chega lá, e são poucas visto que a maioria fica pelo caminho, que não tenha um histórico de superação, de sofrimento, de angústias, de insegurança, de medo...
A sub quando atinge a plenitude tb é seletiva, não é dependente de estar numa relação, sabe administrar seus momentos, sabe se equilibrar com o lado baunilha... Não é sub para qualquer um.
Que tal? É uma boa meta?
Vale a pena a caminhada... As que chegaram lá, parabéns.

2 comentários:

Eduarda de LK disse...

Parabéns adoro seus textos e peço permissão para posta-los em meu blog com devidos créditos ... desde já Grata

eduarda de LK

Um observador disse...

Fique a vontade e seja muito bem vinda sempre.