O BDSM está morrendo?

Muito se discute sobre uma crise no BDSM, de como estamos perdendo cada vez mais o foco, o motivo central de nossa existência, fugindo cada vez mais de nossos conceitos mais puros, etc.
Olha, eu realmente vejo coisas que me entristecem, decepcionam, que me fazem sim questionar mas, se a gente olhar bem para o que encaramos como BDSM, se tivermos o apuro no olhar, veremos que o bom e velho BDSM continua ai, vivo e forte, se renovando, progredindo, amadurecendo.
Não dá pra ver um monte de baderneiro tumultuando e achar que aquilo ali representa o todo.
Em todos os movimentos que envolvem muitas pessoas, vão existir algumas (ou muitas) que estão ali de penetras só confundindo a leitura de quem vê.
Eventos, manifestações, shows são paralelos que podemos traçar. Tem um monte de gente sempre participando, mas poucos realmente envolvidos.
Olhando pra quem realmente está envolvido, ainda temos o brilho no olhar, o gosto pela coisa.
Lembrem-se que o sucesso não precisa de publicidade, quem está realmente feliz e se encontra numa relação BDSM não precisa tocar trombetas para anunciar.
Quer ver o bom e velho BDSM? Apure o olhar, busque no meio da multidão, nos cantinhos, aqui e ali. O BDSM não é uma multidão desenfreada, são pessoas que vivem o que acreditam e tiveram a feliz oportunidade de viver este encontro de almas, Dono e sub.
Claro que é ruim ter tudo isto distorcido por um monte de gente descompromissada, mas dai a tirar conclusões que o BDSM está morrendo, etc., é outra coisa.
É como aquela velha árvore de raízes firmemente fixadas e que se estendem por metros no solo, que cresceu vigorosa e se lança nas alturas com sua majestade. Vc pode cercar esta árvore com o que quiser, pode plantar o que quiser em torno dela, pode tentá-la encobrir com o que quiser, mas ela estará lá firme e forte pra quem quiser ver.
O BDSM é tão forte que é capaz até de corromper os oportunistas, muitos que aqui adentraram em busca de aventuras se converteram.
Ainda duvidas da força do BDSM?
 

Comentários

Leiloca F. disse…
Retornando aqui e com imensa satisfação leio este texto, já andava saudosa deles.
E novamente vou eu dar meus palpites, de mera expectadora...se falar bobagens, por favor sinta-se à vontade para mostrar-me o outro lado, afinal penso ser este espaço para isto, aprendermos um pouco mais.
Andei neste tempo dando uma olhada aqui e ali no que se refere a BDSM, e parece-me realmente que há uma desordem no ar, uns gritando seu fim, outros expondo-se além da conta. Penso eu, em todo movimento há aqueles baderneiros, intrusos, que vão apenas para armar a confusão e depois se retiram como se não fosse com eles, deixando o grupo que antes era sólido fragmentado. Mas está certo, isso só ocorrerá com quem permitir-se a isso, com quem estiver com suas bases enfraquecidas, isto digo olhando pelo ponto de vista aqui do meu cantinho baunilha, que é bem parecido em certas manifestações.
Vejo, pelo que leio, que BDSM requer muito além de imagens, relatos das tais sessões, é um envolvimento muito maior entre seus praticantes, que deve ser levado a sério, e como em tudo na vida, nem todos seguem isto e depois culpam o todo pelo próprio fracasso.

Leiloca F.
Leiloca F. disse…
Continuando meus apontamentos de mera observadora...

Entendo que submissas são mulheres dotadas de uma forte personalidade e desejo de se submeterem, elas não são submissas elas estão submissas à alguém, estou certa?, em seu cotidiano ela não será submissa de seus empregados ou filhos, podemos exemplificar assim, mas estará submissa ao seu marido ou companheiro, ou aqui no caso dominador. Mas, sendo uma submissa, ela não deveria orgulhar-se em se exibir e sim em ser discreta o suficiente para ser notada pelo seu real valor, o orgulho dela é centrado no dele, ou não? Submissas por si só são discretas, polidas, inteligentes o suficiente para se anular perante a quem se submete sem deixar de ser forte, de ter sua personalidade própria, de pensar e agir junto a seu dominador. Creio eu, que tendo esse conjunto e mais um dominador que viva de fato isso, não há morte no BDSM, ele permanecerá forte como um bom e velho jequitibá.
Também fala em seu texto que podemos encontrar o bom e velho BDSM olhando pessoas felizes, que vivem esse encontro e compromisso, o encontro de almas Dono e sub, também acredito nisso, até mesmo numa relação baunilha é assim, caso contrário o matrimônio estaria extinto, pelo tanto que já pregaram seu fim,mas há sempre este encontro de duas almas que não o deixam morrer. Fica também aqui, mas que evidente que o Senhor vivencia isso, esse encontro de almas, que o BDSM está mais vivo que nunca para o Senhor e sua Atena, que vivem essa felicidade, comprometidos com seus objetivos, tendo bases sólidas, sem necessitar divulgar ao mundo a felicidade ou o que vivenciam.
Olhando este casal que vocês formam, começo a acreditar sim, que existe relações reais e verdadeiras dentro do BDSM, que não é apenas aquele jogo de contos que tanto lemos por ai.
Deixo uma sugestão: Vocês dois nos agraciarem com algo juntos, tipo algo em que possamos estar conversando mais com o casal, não em termos de publicidade, mas do que seja o BDSM, sem referência a relação de vocês e sim das visões desse meio. Bem é apenas uma sugestão de alguém que cada vez mais vai se encantando com este universo, porém como disse anteriormente, minha veia submissa não bate ainda, mas vocês me inspiram.

Beijos e desculpe ocupar tanto o espaço, não resisti, por isso a sugestão, assim poderíamos conversar mais.
Beijos também em sua linda Atena, que tenho certeza lhe é motivo de muito orgulho.

Leiloca F.
Olá Sr.
Ja andava com saudades de ler Suas postagens..rs

Desculpe-me mas.. Bem vou iniciar do fim para o início..rs
“Ainda duvidas da força do BDSM?”

Honestamente eu não tenho duvida nenhuma, o bom e velho BDSM é o mesmo hoje, ontem e será amanha.. Forte como ele só, puro em sua essência..

Nos meus 5 anos de caminhada, não digo que exista maneira do BDSM morrer, creio que ele esta se tornando raro, precioso..
Mas não morto. O BDSM quem fazemos somos nós.
É independente da massa, da multidão. Por muito tempo confesso tbm me vi no meio da massa, da festa e oba, oba.. Era novata, estava começando. Tinha os desejos, a essência, mas não sabia os meios, não conhecia os caminhos.. Tbm não encontrei as pessoas que pudessem me ajudar a achar as respostas.. Fui sim, arrastada pela fissura do alardeamento, blogs, festas, reuniões e afins.
Mas como toda a badalação da vida tem uma hora do fim, a minha chegou e eu nem percebi, apenas aquietei-me e vi que era hora pensar a serio, de agir a serio.. Mesma mulher, nova visão, atitudes mais sabias, visão menos floreada. E eis que ele surgiu em toda sua gloria, no meio do meu jardim. Imponente, e esplendoroso.
Nada de 7 cabeças, apenas básico, mas ainda assim repleto de complexidade.

O problema não é o BDSM, não ele não esta morrendo, nem extinto nem nada parecido. O problema em sua maioria é a banalidade. Mas como disse no inicio isso independe da massa, pra mudar depende de cada um, de cada Dominador e de cada submissa que vive realmente o SM por SM, não por moda, ou coisa similar. BDSM é vida, estilo, existência.

Hoje se repara bem, a maioria dos casais mais duradouros do nosso meio, são pessoas simples que apenas vivem seu encontro de desejos e almas, em paz, no silencio de suas alcovas, sem muita festa, sem muito alarde. Admito, hoje vivo isso, e ah se eu soubesse antes. Teria me encontrado e nem tornado mais feliz e realizada a muito, muito tempo atrás.

Beijos doces a Sua Atena, Saudações ao Sr.
Libido proibida.
Marília, do Senhor DIRCEU disse…
Que felicidade encontrar novamente Seus textos Senhor.

Há muito Meu Mestre e eu escolhemos viver nosso BDSM sem burburinhos, silenciosamente e temos sido felizes assim. O bom e velho BDSM não necessita de trombetas e sim de envolvimento, como o Senhor bem citou. Ele não morreu e creio eu, pelo tempo que já o vivencio, que não morrerá, seguindo o que dissestes no texto, basta olharmos atentamente e encontraremos no meio da multidão aqueles que vivenciam de fato o BDSM, com toda sua essência e magnitude. Como a caríssima Líbido disse,a maioria dos casais duradouros vivem simplesmente seu encontro de almas e desejos, dentro de suas alcovas, vivem como a velha árvore, sustentando assim as raízes do nosso BDSM.
BDSM é compromisso, é sentir na alma, é entrega, é evolução, renovação, mas para isso há de se ter Dono e sub em sintonia perfeita, e isso sabemos bem não se dá apenas dentro de sessões e palavras bonitas, se dá no dia-a-dia, na conquista de ambos diariamente, havendo dias em que o céu estará cinzento e outros um sol brilhante, mas juntos seguirão e evoluirão, fortificando suas vivências dentro do BDSM.
O BDSM está mais vivo que nunca, dentro de cada um, e só precisamos do encontro de duas almas que se encaixem.

Parabéns mais uma vez pelo texto, em nome de meu Mestre, o Senhor Dirceu, e em meu nome.

Beijos carinhosos em Sua linda menina Atena, parabéns ao casal por vivenciar este encontro de almas no bom e velho estilo BDSM.

Marília, do Senhor DIRCEU.
yasmin so yasmin disse…
O que posso dizer?


Concordo com seus dizeres Sr...

E conheço essa força de que falas!!


Saudações SM

Yasmin
Anônimo disse…
Boa tarde,

Como uma observadora do BDSM, percebo que sim, em muitas vezes falta o conhecimento e que muitas pessoas acham que podem obter o sexo fácil, ou acham que gostam, ha uma certa dificuldade em mandar e obedecer, claro, típicos de iniciantes, nada que não possa ser aprendido. Sobre o BDSM estar sumindo, não creio, apenas estamos a observar, e ter-mos nossas vidas normais. Como alguns nos chamam de anormais, ou nos chamam de senhora ou senhor, e por ai vamos, cada vez mais convertendo pessoas para que aprecie essa maravilhosa vida.


Sra. Madeleine Karva - RJ

Postagens mais visitadas deste blog

Frase da semana.

Postura.

Cadelas...