Páginas

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

O Souvenir

Vou fazer aqui um comparativo sobre as dificuldades de escolha dentro do BDSM. Espero que compreendam que é um exercício, portanto, sujeito a falhas, qualquer aperfeiçoamento será bem vindo.

Vamos nos imaginar como clientes em uma loja de souvenir, observando todos aqueles objetos, cada um com uma característica pessoal, um detalhe que chama a atenção, algo que o torna especial.

São vários, de diversos tamanhos e estilos, todos atraindo por suas peculiaridades, no entanto, não podemos levar todos, não podemos possuir todos.

É necessário escolher, utilizar algum critério e ai começa nosso desafio.

Muitas vezes critérios óbvios já eliminam algumas possibilidades: grande demais, pequeno demais, pesado demais, leve demais...

Buscamos então por afinidade, algo que componha bem o ambiente, que se incorpore naturalmente ao que já temos e gostamos, mas...

O diferente tb atrai, pequenas diferenças e variações são desafiantes, aumentam a dificuldade da escolha, perceber nas diferenças aquilo que pode ser semelhante, afinal, não adianta ser o oposto do que aprendemos e sabemos lidar, falamos aqui de pequenas diferenças, novos toques, abordagens daquilo que gostamos tanto.

Chegamos a ficar desorientados, vamos reduzindo a lista, mas vira e mexe a gente repensa, troca, modifica...

Observamos mais, tentamos entender melhor, nos aprofundar para fazer a escolha bem feita.

Algumas peças apresentam pequenas imperfeições, mas são tão bonitas... Nada que pequenos retoques não resolvam.

Outras sofrem pelo descuido ou abandono, mas o olhar cuidadoso percebe a beleza e o refinamento da peça, sabe que com os devidos cuidados a peça retoma o brilho, a vida.

Algumas outras peçam saltam aos olhos, são magnéticas, perfeitas, certamente seria sua primeira escolha, mas ao simples toque se desmancham... Decepção...

O cliente mais acostumado sabe das armadilhas e com faro refinado segue a sua busca.

Muitas vezes a peça favorita dele, entre todas, é impossível de se possuir, naquele momento não cabe, é preciso paciência, esperar por uma nova oportunidade, criar espaço e condições pra então tê-la entre suas posses.

Algumas peças brilham de tão novas, falta ainda a riqueza que o tempo dá, resta saber se vc tem recursos pra poder tornar a peça melhor, afinal, elas exigem cuidado e atenção senão se perdem...

Algumas peças sofrem o oposto, muitas mãos descuidadas danificaram a peça, elas precisam de mais cuidado, um toque especial pra retomar a boa e velha forma.

Algumas tiveram uso diverso daquilo que eram destinadas, tiveram seu uso desviado, taça que viram copos, jóias que viram peso de papel, livros que viram apoio de mesa... É bom trazê-las de volta ao seu universo, tão maltratadas mas que nunca perderam a fé.

É importante na escolha pensar se vc realmente pode ser útil, se vc realmente vai fazer justiça com a peça adquirida, se haverá espaço e recursos pra se dedicar.

Quando fazemos escolhas ruins, e estas podem ter variados motivos (momento, oportunidade, preparo, condição, espaço, etc.), podemos danificar a peça, tirar dela o brilho próprio, aquilo que a torna especial.

É como peças de engrenagens, se combinamos as peças erradas, só gera desgaste , no fim, perda.

Observem que, com as devidas adaptações, estou falando de escolhas que servem pra Doms e subs, nesta “loja” complexa, deixamos passar muita coisa, perdemos muitas oportunidades, fazemos escolhas difíceis sujeitas a erros e acertos.

Certamente deixei escapar algo, mas isto mostra como a escolha é difícil e, nem sempre, deixar de ser escolhida significa que vc não está a altura, ao contrário, muitas vezes lamentamos não podermos escolher nosso souvenir favorito.

Tudo tem o tempo certo, a hora certa, paciência é uma virtude muito apreciada no meio, enquanto isto, trabalhemos... Logo chegará a hora de possuirmos o souvenir tão desejado.

8 comentários:

silenciosa disse...

Prezado DE

Texto muito bem elaborado, fácil de transpor os exemplos para o mundo BDSM.
No entanto, por experiência própria, digo que as vezes nos surpreendemos ao levar determinada peça para compor nosso ambiente, da qual antes achávamos não ornar com o resto da decoração, e ao utilizarmos devidamente no lugar escolhido, temos a agradável surpresa de ver que o que antes imaginávamos não cair bem, justamente é a peça que melhor ornou, que mais se destacou, que mais encantou...
Portanto, acho que as vezes, cabe sim darmos a nós mesmos uma oportunidade.

Bem, é minha opinião...

Saudações, s.

Anônimo disse...

Análise, adequação, texto e metáfora riquíssimos.

Sensível poder de observação do comportamento humano.

Aos "delicados souveniers" cabe a virtuosa paciência de aguardar ser o escolhido!

Cy

Anônimo disse...

Existem ainda aqueles que saem de casa sem intenção de comprar algo, entram na loja e adquirem um "souvenir" sem nem saber pra que serve ou se terá alguma utilidade...e, por final o objeto fica jogado num canto da casa ou esquecido em alguma gaveta...triste isso...


j

Izabel disse...

Será que não temos o preferido ou ele é o preferido justamente pq não podemos ter?

Concordo com a Silenciosa... o não tão desejado e o diferente muitas vezes podem surpreender. Já conheci Doms maravilhosos e que não estavam sob os holofotes, embora tivessem tudo para estar.

Texto mto bem escrito e observado!

Beijos Sr, e boas escolhas!

Izabel

salome disse...

Muitas vezes mesmo a peça sendo a melhor,sendo nosso sonho de consumo,é preferível deixá-la onde está,apreciá-la de longe,como o Senhor mesmo disse para que não perca o brilho.Damos mais valor para aquilo que não temos,nós mulheres sabemos bem disso,olhamos uma roupa na vitrine,os olhos faíscam,enquanto não compramos até sonhamos com ela,no espelho do provador até nosso corpo fica mais bonito,quando trazemos a peça para casa usamos uma ou duas vezes e a esquecemos no guarda roupa e vamos a procura de outra.O problema não está na peça,mas em nós,na instabilidade de todo ser humano!
Gostei muito do seu blog Senhor Eros,voltarei mais vezes...

Bj
Brígida

§ cristal § disse...

As vezes nos deparamos com aquele souvenir perfeito, q se encaixa exatamente no q sempre desejamos mas mesmo assim saimos a pocura de outro e deixamos ele lá e rodamos pela loja procurando e acabamos levando aquele que de certa forma sabíamos não ser o ideal, mas por medo na época não adquiriu-se o certo, aquele q lhe era perfeito...com o tempo amadurecemos e percebemos o erro...mas ai esta voltamos na loja e ele já não estava mais lá, ooutra pessoa o levou pois ao contrario de vc não teve medo de encarar esse encaixe perfeito, então a vc agora só resta sair e procurar outro torcendo para q haja outro.

luanna disse...

Texto muito rico e bem elaborado.
Basta a cada um refletir e perceber qual tipo de "souvenir" precisa, para nao perder tempo com o que nunca vai saber usar.
Beijinhos.

Anônimo disse...

No final das contas, o objeto tão desejado é aquele que está sempre em outro lugar, sempre num outro espaço que não aquele que já foi conquistado... que coisa mais errante!