O Amor BDSM

pretty-please Upload feito originalmente por abetaltre


Há algum tempo venho pensando em escrever sobre o amor no BDSM. É, talvez, o tema mais polêmico dentro do BDSM.
Só quero trazer minha contribuição, nada mais que isto.
Certamente voltarei ao tema mais vezes, tamanha são as polêmicas e abordagens possíveis.
Bem, primeiro devo dizer que acredito no amor em suas variadas formas, e são tantas que nem nos damos conta: amor de filhos, de pais, de parentes, amigos, colegas, aluno para professor e vice versa, namorinho, ficante, amante, namoro sério, noivado, casamento, amadurecido, etc...
Poderíamos montar uma lista, seria divertido e construtivo, quem quiser contribuir, fique a vontade.
São formas de se amar, com características próprias, com nuances, definições, intensidades que dão peculiaridade àquela forma de amar.
No BDSM não é diferente, existe amor e dos bons, mas muitos querem amor de namorados, amantes e é ai que tudo se complica.
Não consigo ver, sem ser tomado pela dúvida, um Dom chegando com flores e caixas de bombom pra sua subs, Dom fazendo poesias melosas tal qual menino apaixonado não combina com a sobriedade que se espera de um Dom, pelo menos um capaz de guiar, orientar sua sub.
Em contrapartida vejo com admiração um Dom dedicado, preocupado com o crescimento de sua sub.
Vá lá, uma recaída eventual, tudo bem, mas um Dom que perde o senso de justiça, o discernimento é perigoso.
Quando observamos subs que não distinguem os motivos de sua entrega, confundindo a raiz da relação a ponto de fazer cobranças em cima de seu Dom penso logo que está faltando condução, orientação ou, pior, sobrando oportunismo.
Interessante que todos criticam o chefe que fragiliza sua autoridade concedendo privilégios para sua funcionária preferida, mas num Dom é permitido? Algo semelhante ocorre quando o Dom se encanta pelas formas da sub ao invés de ter a "frieza" no lidar com ela.
Um Dom que perde a autoridade, é incapaz de castigar e ser justo pq está envolvido pela sub, seja emocionalmente ou fisicamente, descaracteriza o BDSM.
Assim como a sub que fica infeliz quando sua vontade não é satisfeita ou ao ser castigada sofre como se houvesse perdido o amor a tanto acalentado.
O amor no BDSM é recheado de admiração, é moldado na entrega, na capacidade de ambos de se dedicarem um ao outro, cuidando, zelando no caso do Dom, obedecendo, se entregando, sendo Dele no caso da sub.
Dominar exige sensibilidade, exige ser capaz de tomar atitudes fortes, mas necessárias. E se o amor abalar esta convicção?
Ou seja, o amor também deve se submeter na relação, não tomar o poder.
É tão bonito o amor na relação BDSM, tão rico, tão profundo, tão exigente, tão enriquecedor, pq insistimos em trazer o amor baunilha pra dentro do meio?
O amor de amantes está lá, mas se vc deixa-lo controlar a relação, o Senhor da relação passa a ser ele.
Não é uma receita que se aplica a todas as vertentes, doses maiores aqui e ali, doses menores acolá, mas é preciso cuidar para que a relação não se perca, que haja uma autoridade e alguém submetido a ela.
Encontrar a forma certa de amar e valoriza-la é fundamental no BDSM, não abaunilhando, cuidando para que haja clareza, que haja a percepção certa do que está envolvido na relação, de suas expectativas e perspectivas.
Acredito muito no amor BDSM, mas tenho dúvidas se as pessoas tem conseguido enxerga-lo como deveriam.

Comentários

{Nanda}_A disse…
Gostei e concordo...
No entanto o maior problema é quebrar nossas estruturas baunilhas...
desfazer-se de nossas convicçoes
Ser submissa é um reaprendizado como mulher...
Mulher que aceitou transferir o poder...
Nunca esquecendo que uma coleira tem dois lados... mas que o amor... náo e nao poderá ser o baunilha... pois descaracterizará a relaçao e seguramente se perderá o tesao com a qual a relaçao foi construida...

muito interessante o assunto...

bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Frase da semana.

Postura.

Cadelas...