Páginas

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Orgulho de ser BDSM.

Muito se discute sobre o momento BDSM, de como os conceitos estão corrompidos, de como existem aproveitadores, etc. Tudo isto é verdadeiro e merece um espaço em nossas discussões.
É frustrante? Muito.
Mas tudo tem sempre outro lado a oferecer, o lado onde o BDSM se revela forte, íntegro. Onde o BDSM se engrandece.
Sabemos dos riscos, das ameaças. Conhecemos todo tipo de situação que afeta e prejudica nosso universo, mas o fato é que ele é mais forte do que os "turistas" supõe.
O verdadeiro BDSM é rico em dignidade, respeito, admiração. O BDSM não é discriminatório, preconceituoso, pequeno. O BDSM não é invejoso, corrupto.
Fatos recentes provam isto, são gestos e mais gestos desta grandeza que falo.
Que não tenham a inocência de supor o contrário, os verdadeiros membros deste nosso universo só reforçam a força do todo, contribuindo para um BDSM são e seguro. É um universo em crescimento, não em tamanho, mas em qualidade. Muito aprendemos aqui, cada um de nós cresce junto, agrega mais, se fortalece como indíviduo e, consequentemente, fortalece o meio.
A gente pode olhar pro BDSM como uma vitrine vistosa, atraente e envolvente. Dá vontade de entrar e viver tudo aquilo. Mas quem consegue ver a essência, consegue entender do que faz parte, estes sim são felizes.
Vi gestos nestas últimas semanas que me deixaram mais orgulhoso de pertencer ao meio, não que eu não esperasse, mas são coisas que renovam nossa fé, nossa alegria de fazer parte deste meio.
Cada um ao seu jeito, de sua maneira como é peculiar ao meio. Muitos só enxergam a vitrine e se engana sobre a verdadeira força dentro de cada um de nós, que juntos formamos um meio ainda mais forte e sólido. Quem se surpreende é pq não foi capaz de entender, vive na periferia se enganando.
Usamos a palavra meio pra definir nosso ambiente, nossas crenças, nossos envolvimentos. O que está no meio é algo que poucos conhecem, vai além da publicidade, das vitrines. Foi uma oportunidade de enxergarem isto, perderem a ingenuidade de que o que se vê, se basta.
Eu gostaria muito de falar de cada gesto, comentar, ilustrar com fatos minhas palavras, mas acho que todos que acompanharam se sentem um pouco como eu, orgulhoso de pertencer ao meio.
Sinceramente, a gente sabe das ameaças, a gente conhece bem o que vem de fora mas, o mais importante, é saber o que temos, o que somos, o meio ao qual pertencemos.
Eu queria agradecer a todos, sem exceção, pelos comentários deixados, pelo apoio dado, pela contribuição deixada. Todos mesmo, pq até quem ataca acaba contribuindo pra fortalecer.
Se não pude agradecer todos de maneira direta, posso compartilhar esta sensação de pertencer e acreditar em algo que se mostra forte cada vez mais, que cresce na virtude de seus membros, os verdadeiros.
Gostaria muito que todos fossem "contaminados" por esta força, estes valores, mas creio que nem o espiríto natalino consiga. :-)
Mas, certamente, vamos prosseguir mais seguros de que somos parte de algo que vale a pena ser vivido, de que não é em vão nossa entrega e convicção.
O bem sempre merecerá mais publicidade. O respeito sempre merecerá mais espaço. A virtude sempre merecerá todos os incentivos.
Agradeço a todos pelo apoio mas, acima de tudo, pela imensa contribuição que deram para esta sensação de orgulho e alegria de fazer parte de algo tão forte e bonito.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Reflexão do Dia.

Muito se diz que a sub deve obedecer seu Dono quase cegamente (alguns omitiriam o "quase"). Mas é evidente que a sub deve confiar em seu Dono afinal a entrega pressupõe tal confiança.
Ainda assim, muito se oscila diante da ordem dada, diante da condução do Dono.
Mas se a sub aceitar ser conduzida (apresentada) a um novo universo, não conhecido por ela e que, muitas vezes, modifica a própria leitura da vida baunilha, pq questionar, duvidar, vacilar?
Quando partimos para novas descobertas, precisamos de guia, no BDSM este guia é o Dono, a sub se entrega ao Dom na expectativa de que vai se descortinar um universo novo cheio de novas leituras e abordagens. Mesmo sendo tão claro isto, são frequentes os casos onde a sub trava.
Para facilitar a reflexão, vamos eliminar da equação as relações oportunistas, maldosas e que não seguem os preceitos BDSM, nesses casos não é rebeldia e sim bom senso.
Existem as respostas fáceis: medo, insegurança, cultura, aprendizado, erro de condução, erro de leitura, circunstâncias, etc. Apesar de serem fáceis, não significa que não são verdadeiras, mas o intuito é ir mais longe, se aprofundar mais.
Afinal, o que faz uma sub travar diante de uma ordem/condução do Dono?

sábado, 12 de novembro de 2011

Mentes Obtusas

Algumas pessoas frequentam o meio atrás de vantagens e não medem esforços para consegui-las. Encontram na net um suposto escudo de proteção e vítimas ideais. Colecionam histórias que só estragam o meio, fazendo com que muitos tenham imagem distorcida e até abandonem antes de terem conhecido a essência do BDSM.
Bom, sou meio rodado quanto a isto, e não costumo dar corda, mas...
Diante da insistência e da falta de caráter de uma pessoa, achei por bem vir aqui.
Tal pessoa acredita piamente na proteção que a rede oferece e na sua capacidade de iludir pessoas, por exemplo, sua frase: "Olha adoro essas redes socias, pq lá somos quem queremos ser, as vezes um perfil é deletado mas outro, com nick diferente pode permanecer, fascinante isso".
Esta frase compõe um das centenas de comentários anônimos que recebi aqui no blog, outra centena foi deixada no blog de atena com o intuito de destestabilizar a relação e colher vantagens com isto.
Não que ele tenha sido o único, as pessoas realmente se acham protegidas usando perfis falsos, enviando comentários anônimos, parecem desconhecer as inúmeras possibilidades que a net oferece.
O último ataque, ou melhor, últimos, envolve deixar comentários como se fossem meus e entrar em salas de bate papo se passando por atena e divulgando o msn dela.
Pobre criatura. Ou, como definiu bem uma AMIGA uma alma sem luz.
A pobreza da estratégia é tanta que, só para analisar os comentários, usa uma linguagem que em nada se parece com a minha, faz cópia do mesmo comentário nos diversos blogs (como é possível verificar no link do parágrafo acima) e não linka com qualquer dos meus perfis, já que quando comento, sou identificado como O Observador.
Ao contrário do que tal pessoa supõe, as pessoas não são idiotas, elas antes vão verificar a autenticidade do que foi enviado, é assim que nos protegemos destes oportunistas, mas parece que nosso amigo desconhece este tipo de postura, afinal, se acostumou a jogar sujo.
O interessante é que a meta dele é ter atena como sub, apesar de se revelar tão baixo em sua estratégia de conquista.
As coisas óbvias, ter um ou mais perfis, criar dúvidas, se apresentar como o "dom" salvador e que reconhece nela a melhor sub de todo o BDSM e que só ele é capaz de conduzi-la.
O que nosso amigo desconhece é que existe vida além do BDSM e que as pessoas são dotadas de inteligência.
Quando atena se afastou do BDSM para se dedicar a uma oportunidade que havia surgido na sua vida baunilha, nosso amigo achou que era hora de se revelar partindo do pressuposto que não existe vida baunilha, que as pessoas não pensam, não tem iniciativa, sub então não é capaz de tomar decisões muito menos tem vontade própria, que uma "cantadinha" barata é capaz de tirar qualquer uma do sério e assim fez, se revelando com nome e sobrenome: Javier.
Óbvio que era uma entre tantas identidades deste dedicado e esforçado "membro" do BDSM.
Se antes eu resolvi ignora-lo, assim como fiz com tantos outros e outras, desta vez resolvi não deixar passar em branco, espero que nosso amigo resolva se dedicar a outros objetivos, quem sabe fora do BDSM, ele parece ter tempo livre pra isto, se ocupar deve fazer bem. Que ele se lembre da farta quantidade de besteirol com que abasteceu nossas caixas postais, uma verdadeira biblioteca de insanidades. 
Ele certamente continuará no meio, com outros nomes, perfis, fazendo novas vítimas, atormentando outras pessoas, mas é bom que se lembre que não existe capa de proteção na net que permita ele ir longe demais, como deve bem saber algumas de suas fontes inspiradoras.
Peço desculpas pelo inconveniente de quem teve o desprazer de receber tais comentários, mas creio que o próprio texto descontrói qualquer autenticidade. Ao contrário do que nosso amigo pensa, as pessoas tem histórias e redes de contato, o fato de muitos não aderirem a propaganda como arma do negócio não significa que vivam isoladas do restante do universo ao qual pertencem, um tantinho de anos dentro disto dá bagagem suficiente pra vc lidar com este tipo de coisa: "Aposto que vc deve tá se achando né? Acha q conseguiu me tirar da jogada? Se sentindo o máximo do planeta mas eu continuo te achando um nada.... Acha mesmo que ganhou essa? Pois te digo q naum, naum desisto assim taum facil, qdo mais dificil melhor, adoro desafios e este venho me saboreando"
Outro aspecto vil desta criatura é entrar em salas de bate papo se passando por atena, imagino quantos perfis de sub ele deve ter, e depois de  um repertório de asneiras, divulga o msn dela, do qual foi escorraçado.
Pobre alma sem luz, espero sinceramente que se encontre, que corrija seus rumos e se dedique a algo mais nobre, como dizem por ai, o castigo vem a cavalo...

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

O BDSM está morrendo?

Muito se discute sobre uma crise no BDSM, de como estamos perdendo cada vez mais o foco, o motivo central de nossa existência, fugindo cada vez mais de nossos conceitos mais puros, etc.
Olha, eu realmente vejo coisas que me entristecem, decepcionam, que me fazem sim questionar mas, se a gente olhar bem para o que encaramos como BDSM, se tivermos o apuro no olhar, veremos que o bom e velho BDSM continua ai, vivo e forte, se renovando, progredindo, amadurecendo.
Não dá pra ver um monte de baderneiro tumultuando e achar que aquilo ali representa o todo.
Em todos os movimentos que envolvem muitas pessoas, vão existir algumas (ou muitas) que estão ali de penetras só confundindo a leitura de quem vê.
Eventos, manifestações, shows são paralelos que podemos traçar. Tem um monte de gente sempre participando, mas poucos realmente envolvidos.
Olhando pra quem realmente está envolvido, ainda temos o brilho no olhar, o gosto pela coisa.
Lembrem-se que o sucesso não precisa de publicidade, quem está realmente feliz e se encontra numa relação BDSM não precisa tocar trombetas para anunciar.
Quer ver o bom e velho BDSM? Apure o olhar, busque no meio da multidão, nos cantinhos, aqui e ali. O BDSM não é uma multidão desenfreada, são pessoas que vivem o que acreditam e tiveram a feliz oportunidade de viver este encontro de almas, Dono e sub.
Claro que é ruim ter tudo isto distorcido por um monte de gente descompromissada, mas dai a tirar conclusões que o BDSM está morrendo, etc., é outra coisa.
É como aquela velha árvore de raízes firmemente fixadas e que se estendem por metros no solo, que cresceu vigorosa e se lança nas alturas com sua majestade. Vc pode cercar esta árvore com o que quiser, pode plantar o que quiser em torno dela, pode tentá-la encobrir com o que quiser, mas ela estará lá firme e forte pra quem quiser ver.
O BDSM é tão forte que é capaz até de corromper os oportunistas, muitos que aqui adentraram em busca de aventuras se converteram.
Ainda duvidas da força do BDSM?
 

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Submissão e vida baunilha

A submissão pode se tornar um problema na vida baunilha. Muitas mulheres de natureza submissa acabam sendo manipuladas, exploradas, usadas e acabam tendo prejuízos na vida pessoal e profissional.
Tudo bem, até ai, é o óbvio.
Mas como o BDSM pode ajudar nisto, principalmente a Dominação Psicológica?
De várias maneiras, desde os príncipios mais básicos até a própria condução do Dom.
A submissão bem canalizada, direcionada deve promover mudanças significativas na vida da mulher, não faz sentido que a submissão não promova crescimento, amadurecimento e maior confiança na mulher, afinal de contas, na DP, ela está sendo conduzida e esta condução é responsável por promover transformações.
Claro, requer responsabilidade, preparo, vir de uma pessoa centrada, equilibrada, etc.
Bom, parece óbvio mas, infelizmente, não é o que vemos, mas cabe a cada um fazer sua leitura, fazer suas escolhas afinal, é consensual.
No BDSM é bem definido que sub só tem um Dono e que deve se esmerar em deixar seu Dono orgulhoso, satisfeito com o desempenho de sua sub.
Estendendo esta leitura para a vida baunilha, creio que nenhum Dom ficaria orgulhoso com sua sub, mesmo na vida baunilha, sendo manipulada, explorada, usada. A expectativa do Dom é de que ela não permita mais este tipo de coisas.
É comum que subs que tenham boa condução vivenciem estas transformações e isto é um retorno fantástico pro Dom Psico. Não tem pq temer que sua sub evolua. Mas...
Nem sempre isto se dá de fato.
Neste ciclo de transformações, quem acaba ganhando muito é o próprio Dom, já que a confiança e a entrega da sub aumentam, existem vários resultados muito positivos e agradáveis neste processo.
Estamos falando aqui do ideal da relação de Dominação Psicológica, mas a realidade nos faz pensar que isto tudo é ficção, sonho distante, uma utopia. Será?
O bom e verdadeiro BDSM, a boa e verdadeira DP ainda produz estes "milagres", talvez o segredo seja não se deixar contaminar. Muitos erros de leitura levam as pessoas pra longe da idéia básica do BDSM, muitas vontades eu diria, mas não significa que a real natureza Dominante e submissa não possam, quando se encontram, promover verdadeiras transformações.
Mas, BDSM não é vitrine, não tem catálogo, Departamento de Marketing, etc... BDSM não vive de imagens sedutoras e textos envolventes, exige sim dedicação, esforço, preparo.
Quando praticado com realismo, com foco, ai sim vc colhe os frutos. Mas não é assim em tudo na vida?
Acreditando e praticando dentro das expectativas mínimas e reais, sim, a submissa pode e terá impactos muito positivos na vida baunilha.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

domingo, 20 de fevereiro de 2011

O Olhar e a Montanha

A vida é dinâmica...
é como olhar uma montanha de longe...
conforme avançamos na estrada...
ela muda...
ganha novos contornos, novos ângulos...
até vc finalmente poder dizer que realmente conhece a montanha...
é sempre um aprendizado.

Quando se olha algo ou alguém a primeira vez...
tudo se apresenta de um jeito...
com o tempo percebemos diferenças, evoluções...
mas sempre tem caminho pela frente...
conheceremos mais e mais sobre o outro...
sobre as coisas...
se descobrirá a química da relação, se aperfeiçoa a comunicação e se acentua as afinidades...
melhoramos o olhar, a leitura...
ganhamos euilibrio, serenidade...
amadurecemos a visão que temos...
a tendência é sempre de melhora.

Se ontem tivemos um grande e belo momento...
haverá outros...
um nível acima...
dois níveis acima...
algumas vezes haverão recuos...
descanso...
depois retomada...
mas sempre aprendendo sobre o outro...
sobre si próprio...
sobre as coisas que nos circulam...
corrigindo rotas, se preciso for...
superando limites, sempre.

É a caminhada de uma sub...
guiada por seu Dono.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

O Mérito

Mas bem que a postagem poderia ser chamar a conquista e a perda de espaço.
Na vida tudo que conseguimos depende de nossos esforços, posturas, convicções, atitudes e de uma série de fatores que combinados determinam nosso sucesso.
No BDSM não é diferente, a exigência é até maior, ou deveria ser, mas vamos nos concentrar no bom BDSM, se formos falar do bdsm o texto não terá fim.
A contribuição de ambos para o crescimento da relação é inquestionável, cada um dentro do seu papel, muito do que se faz determina o tamanho que a relação terá, se é que vai haver relação.
É preciso ter em mente que a simples condição de Dom e sub não é facilitador ou determinante pra se estabelecer relações, é preciso que no dia a dia, em cada ato, cada coisa dita e feita, se reforce os laços de confiança e conquista.
Muito se perde quando se acha que o que se tem basta, quando não se agrega outros elementos à relação.
"Sou uma boa sub e pronto, me aceite como sou".
"Sou um Dom renomado e vc deve me servir sem questionar".
Não é assim que a banda toca, uma sub que é incapaz de se esforçar pra ser a sub dos sonhos de seu Dono, que é incapaz de ouvi-lo, que vive questionando, decepcionando, dando passos atrás não pode esperar muito, a não ser que pertença a um Dom fraco.
Tem sub que é "caçada" pela banda podre do BDSM e acha que por isto tem status no lado bom, que isto basta pra ter o Dom que desejar, coitados dos que dos que são incapazes de ver a diferença. Nada mais baunilha e limitado.
Tem sub que vai indo bem, evolui, amadurece, conquista espaço mas no primeiro desafio mais sério se perde, se desorienta, sai do prumo.
Outras vem com modelo pronto, BDSM de cartilha, e passam todo o tempo questionando o Dom, o que é contraditório, afinal, se vc o escolheu pelas virtudes tão decantadas, pq questiona-lo?
Claro que o mesmo acontece com os Doms.
Vc navega pela net, nos espaços virtuais mais populares do BDSM e vê Dom pedindo MSN na primeira conversa, pedindo não, ordenando. Tem Dom que conduz a conversa como se fosse sexo virtual, outros como sedutores, alguns buscam refinar a postura sem ter qualificação pra isto e acabam destruindo o português e o que se conhece como conversação.
Alguns vão indo bem, avançando, conquistando espaço mas logo se fragilizam pela falta de conteúdo e conhecimento.
São vários tipos de comportamento que impedem a relação de florecer. O BDSM é uma conquista de espaço e esta conquista se dá por mérito, por ser manter focado, por respeitar e não decepcionar um ao outro, por cumprir os acordos, por ser fiel ao que o BDSM prega.
Uma relação quando começa, por mais otimismo que tenhamos é cheia de dúvidas e inseguranças, no dia a dia, galgando degrau a degrau é que se conquista espaço, que se conquista efetivamente a plenitude de pertencer e Dominar.
É muito estranho ver relações de um dia tentando ter a profundidade de relações de anos. São conquistas, uma a uma, passo a passo, pra só então, mesmo assim com alguma margem, vc dizer que tem uma relação plena de BDSM.
Ninguém conquista espaço a toa assim como ninguém perde espaço a toa. É uma luta diária, de uma caminhada difícil, por vezes tensa, sempre trabalhosa.
Não que os erros sejam intencionais, nem sempre são, são parte de nossa natureza, de nossa compreensão dos fatos, é justamente por isto que existe a segunda chance, a nova oportunidade, a reconquista.
Mas se ainda assim vc desperdiça, não lamente, são suas ações que geram os resultados, as conseqüências.
É bom sempre nos lembrarmos que nossas conquistas dependem muito de nossos atos, somos sujeitos ao erro, a falhar, nem sempre estamos num dia bom, num momento bom, mas sempre haverá oportunidade de vc mostrar ao que veio, qual é o significado das coisas que vc acredita e a importância que tem em sua vida.
A vida no BDSM é baseada no mérito. Nada mais justo.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011


Mais um selo e mais uma pedreira, pegando o ritmo. Este enviado por DEXPEX_{Amar Yasmine} e é com carinho que cuprirei as exigências do selo.

1 - Quanto tempo de BDSM?

Uns dez anos, não sei precisar com exatidão em virtude do começo "acidental", uma amiga se descobrindo sub resolveu me descobrir Dom tb, me convidou pra ser o Dominador dela, e dali a coisa evoluiu, muito tempo lendo, estudando, errando, acertando... É uma característica minha, de só me envolver com aquilo que realmente conheço, que possa realmente me sentir a vontade. Com o tempo vc amadurece, passa a entender o caminhar das coisas e tudo passa a funcionar...

2 - Como foi seu primeiro ano no BDSM?

Não sei se dá pra definir um ano cronológico, mas este "ano" foi de aprendizado mútuo, depois segui sozinho, sempre foi prazeroso, enriquecedor. Não tenho realmente do que reclamar, sempre foram desafios estimulantes, mesmo que na hora vc pense "o que estou fazendo aqui? :-)

3- A primeira pessoa que você conheceu, você se lembra?

A tal amiga que citei acima, entusiasmada, rica, doce. Foi uma linda experiência, creio que marcante pros dois. Tivemos experiências maravilhosas, inesquecíveis, mas ela já não faz parte do BDSM.




Recebi este selo da luba, Confissões de uma indomável
Agradeço a gentileza, se bem que é uma pedreira... :-)
Mas vamos lá, vou tentar cumprir as regras que são:





1ª Repassar a 15 pessoas.

2ª Responder as perguntas.



Nome: Eros, o Dom


Uma Música: Complicado, adoro música, tenho mais de 5 mil, qualquer uma que eu citar será uma injustiça com tantas outras, mas vou citar uma que gosto muito e que fala muito desta fase de maturidade da vida - Meu Jardim - Vander Lee.


Humor: Depende do ambiente, das circunstâncias, tenho minhas doses de ironia, malícia, mas normalmente é sóbrio, como cabe a um bom observador.


Uma Cor: Preto.


Uma estação: Verão.


Como prefere viajar: Viajar me basta. Onde tiver natureza, estou lá. Pena que dirigir que é tão gostoso pode ser tão tenso, mas se eu pudesse, vivia viajando.


Um Seriado: Hoje em dia, House.


Frase ou palavra mais dita: Se fosse frase pensada... ;-) Difícil, já tem alguns minutos pensado, vou pensar mais... Já estou no dia seguinte, acho que não conseguirei pensar em algo melhor "Seja moderado no preparo para poder ser ousado no executar..."
Obs.: A frase tem variantes, mas o significado é o mesmo...


Vou indicar três blogs, até como incentivo para as autoras. Até pq todos os blogs parecem já ter recebido o selo.
:-)


Desabafos devaneios memorias


Femme Fatale


Sexualidade real

Retrato Atual

Vivemos uma época de publicidade, onde parecer é mais importante do que ser, onde o individual é mais importante que o coletivo, onde se exibir e se expor vem se tornando padrão, e ai de quem tenta escapar à ditadura da publicidade, vc só é aceito se seguir as regras.

O BDSM não foge a regra: perfis, blogs, conversas... Cada vez mais “reveladores”, subs expostas, reveladas, relações contadas em detalhes. Cada vez mais deixa de existir a privacidade, a reserva, nem mesmo o direito a tal.

Evidente que muitas relações têm isto de maneira equilibrada, madura, com muito bom senso, dentro do consensual, desenvolvem maneiras elegantes e com bom gosto de explorar as vitrines disponíveis.

Mas, na maioria dos casos, isto se dá de maneira grosseira, beirando o irresponsável, expondo demais, revelando demais. Parece que se desconhece o sentido da palavra SEGURO, que é uma das três que norteiam as relações BDSM.

O outro lado da coisa é o tal voyeurismo, já citado aqui no blog como colaboração de leitores. As pessoas entram em blogs, participam de conversas, visitam perfis com o único intuito de saber mais, descobrir mais, saber detalhes da relação, curiosidades sobre A ou B.

Basta uma sub aparecer com coleira que pessoas ávidas por informações logo a cercam, querem acesso privilegiado, querem saber quando serão postadas fotos, textos reveladores, querem saber os segredos, como se diz no popular, os detalhes sórdidos.

Parece que existem acordos não formalizados de que eu exponho, tenho direito tb a saber.

Como se diz, cada um na sua, mas quem respeita? Quem respeita a prerrogativa que temos da reserva e da privacidade? Desde quando se tornou defeito se preservar a relação e as pessoas envolvidas? Em que momento o SEGURO deixou de compor as regras básicas do BDSM?

Quer dizer que sem publicidade tudo se torna suspeito? Preservar uma relação e os envolvidos virou pecado? Quer dizer que não posso manter somente dentro da relação os erros e acertos? As virtudes e os defeitos? Os ganhos e as perdas? As dificuldades e as conquistas?

Será que não posso somente dividir com a outra parte mas sim trazer pra dentro da relação centenas e centenas de curiosos?

As pessoas perderam a capacidade de ler as entrelinhas? São preguiçosas a ponto de não ver as mudanças acontecendo naquilo que se revela? Precisam que desenhe?

Vc olha pra uma pessoa e vê se ela está bem, olhe por mais tempo e verá mudanças, acompanhará evoluções. Converse um pouco e sentirá sua segurança e felicidade.

O que falta é saber “ler”, ler os sinais, ler os significados de cada coisa, basta ter paciência e terá tudo que precisa, a consistência de uma história sempre estará ao alcance de quem estiver disposto a buscá-la, desde que nas fontes certas.

Hoje o BDSM tem até making of, bastidores, tem um mundo paralelo mais vivo e ativo que o próprio BDSM, e isto em nada contribui pro fortalecimento daquilo que acreditamos.

Devemos cuidar mais de nossas atitudes, de nossas palavras, ter mais comprometimento com o que se faz e acredita. Observem que muita gente acaba envolvida num círculo sem saber sequer como funciona, olham em volta e acabam acreditando naquilo que está exposto, como se verdade fosse.

Cada vez mais pessoas acaba se colocando em riscos desnecessários em nome da tal publicidade, aquelas que são preservadas, que vivem em relações onde são respeitadas, protegidas vivem sob constante “ataque” sendo induzidas a acreditar no reality show que prospera.

Como eu disse antes, não que haja malícia nisto, acho que é um tanto de ingenuidade, de ignorar regras, de voyeurismo, de não “ler” adequadamente os sinais. O BDSM deveria ser capaz de ensinar tudo isto, de amadurecer seus membros, de afinar conceitos.

Quantas quedas são necessárias para que se entenda que o caminho está errado?

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

O Consensual

Quem vive o BDSM há algum tempo já ouviu alguns relatos sobre uma situação que vai além, que ultrapassa algum limite. Muitas subs descrevem estes momentos com naturalidade, como se fossem prerrogativas do Dom.
São situações onde o Dom impõe sua vontade, seja através de indução ou a força, e a sub se submete por acreditar que deve aceitar ou que é direito do Dom que seja assim.
Isto acaba favorecendo alguns excessos, coisas que vão muito além do consensual, do acordado, do permitido.
São situações que estão definidas como crime, pq usam de força ou outras artimanhas pra impor sua vontade sem que haja consensualidade.
Sim, crime.
O interessante é que muitas subs relatam isto com desenvoltura, como se fosse direito do dominante assim fazê-lo. Algumas falam até em conquistas, superação quando por dentro são corroídas pelo arrependimento, dúvida e insegurança.
Não estou falando, evidentemente, das situações onde a sub é ameaçada, chantageada e tem conhecimento de estar correndo risco e não vê alternativa em ceder, este é o crime mais do que bem caracterizado e amplamente condenado, unanimidade no meio.
Estou falando das situações onde o consensual é atropelado, onde a sub não tem entendimento completo do fato, onde a sub, muitas vezes, erra tanto quanto o dominante.
Se vc se vê envolvida numa situação onde costumeiramente as coisas saem do controle e vc continua permitindo. Se vc se vê numa relação instável e continua dentro dela. Se vc vivenciou situações onde a confiança foi ignorada e suas vontades foram desrespeitadas e trata isto com naturalidade, vc tb tem culpa no cartório.
Ouvimos relatos de verdadeiros estupros e violência como se fossem inerentes ao BDSM. São crimes. Vivemos sob regras que na simplicidade nos dão toda proteção que precisamos justamente pra evitar que situações assim ocorram.
Não acho normal ouvir relatos de algumas subs como se o ocorrido fosse direito natural do Dom, como se fosse possível analisar aquilo dentro da ótica BDSM.
O que mais me assusta é ver que isto ocorre (ou ocorreu) com freqüência, em relações duradouras, onde a sub em nenhum momento fez valer seus direitos. E falo de direitos muito além do BDSM. Algemas sim, mas para os culpados.
Subs que vivem isto e permitem, sem que estejam sob ameaça ou chantagem, devem rever sua sanidade, muito se fala da insanidade dos Doms, mas é crítico quando esta insanidade parte da sub. É muito fácil, cômodo apontar pro Dom e dizer que foi Ele. E vc que viveu a relação de maneira duradoura permitindo tudo?
Observem que estou falando de relações onde não haviam ameaças ou chantagem, relações onde a sub podia pedir o boné e ir pra casa, ou como convém ao caso, à delegacia...
Vamos parar de fantasia, situações assim caracterizam crimes e é assim que devem ser tratado. Se vc permite vc é cúmplice e vítima. Depois, não reclame das conseqüências...

Precisamos de sanidade, mas de todos os envolvidos...